O Bradesco anunciou nesta noite de quarta-feira (22), redução em suas taxas de juros, minutos após o Banco Central decidir por um novo corte na Selic, de 0,75 ponto porcentual, para 12,25% ao ano. As novas condições, que entram em vigor a partir de 1º de março em toda a rede de agências do banco, valem para pessoas físicas e jurídicas.


Dentre as linhas de crédito que tiveram redução no caso dos indivíduos, a de empréstimo Pessoal teve sua taxa mínima cortada de 1,89% para 1,83% ao mês, e a máxima de 7,72% para 7,66% ao mês. A modalidade Credfácil Veículo, que tem como garantia o próprio bem, foi reduzida de 5,92% para 5,86% ao mês, no caso do juro máximo. Na modalidade CDC Outros Bens, a taxa máxima foi cortada de 5,90% para 5,84% ao mês.

Já entre as linhas de financiamento para pessoa jurídica, a de Capital de Giro teve redução de 3,49% para 3,43% ao mês na taxa mínima, e de 6,95% para 6,89% na máxima. Na modalidade Credinvestimento, capital de giro com múltiplas garantias, a taxa máxima passou de 6,79% para 5,99% ao mês. Já nos cartões de crédito, para o portfólio da bandeira Elo, os juros máximos do rotativo, que contam com novas regras a partir de abril, ficarão entre 3,1% a 9,9% ao mês a partir da próxima fatura. A taxa máxima cobrada anteriormente na modalidade era de 16,9% ao mês.

Esse é o segundo anúncio de redução de juros que o Bradesco faz este ano. Após o Banco Central acelerar o corte da Selic, os grandes bancos acompanharam o movimento e começaram a repassar as menores taxas para os clientes.

Itaú Unibanco 

O Itaú Unibanco também anunciou nova redução de juros. O banco repassará, conforme nota à imprensa, o corte integral da taxa básica, de 0,75 ponto, para pessoas físicas e jurídicas.

"Acreditamos que a política monetária vem sendo conduzida de forma a beneficiar o crescimento econômico sustentável num ambiente de baixa inflação", afirma Roberto Setubal, presidente do Itaú Unibanco, em nota.

A redução dos juros será estendida, segundo o Itaú, a todos os clientes que utilizam as linhas de empréstimo pessoal, cheque especial, cartão de crédito e financiamento de veículos. Para as micro e pequenas empresas, houve corte nas taxas do cheque especial, capital de giro e contas garantidas.