O Banco Central da Argentina (BCRA) realizou alguns leilões cambiais nesta quinta-feira (25), para tentar frear a escalada do dólar, em meio à nova onda de deterioração dos mercados locais. Segundo o jornal Âmbito Financiero, na primeira licitação do dia o BCRA ofertou 100,388 milhões de Letras de Liquidez, a uma taxa média de 70,036%.

No segundo leilão, ofertou 82,995 milhões de pesos, a uma taxa média de corte de 72,252%. Com isso, a taxa média total do dia, equivalente à taxa de política monetária, ficou em 71,039%, de 68,366% na quarta-feira, aponta o diário, destacando que com isso ela superou os 70%.

O jornal El Economista, por sua vez, destaca a piora da confiança do consumidor local em abril e também o fato de que o avanço do dólar complicará o processo de desaceleração inflacionária antes das eleições presidenciais, marcadas para o fim do ano. Além disso, a imprensa local diz que há expectativa no mercado sobre uma eventual resposta política do presidente Mauricio Macri às tensões. Macri cancelou uma entrevista que teria e realiza reuniões internas.

O país enfrenta um cenário de alta inflação, dúvidas sobre a trajetória da economia e também com a política, em ano eleitoral. No mercado local, o dólar era vendido a 45,90 pesos nesta quinta-feira (25). Em Nova York, a moeda americana avançava a 45,020 pesos, às 15h39 (de Brasília).

Leia mais:
Diretor admite que Banco Central pode intervir no câmbio
Prévia da inflação oficial fica em 0,72% em abril
Dólar encosta em R$ 4 e fecha no maior valor em sete meses