Após receberem proposta de reajuste salarial de 10%, os bancários decidem na noite desta segunda-feira (26), se acabam ou não com a greve, que já dura 21 dias. A informação é da assessoria de imprensa do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. A entidade calcula que, se categoria aprovar o reajuste proposto, o ganho real será de 0,11%.

Os bancos também ofereceram aumento de 14% no vale-refeição e no vale-alimentação, que hoje são de R$ 572 e R$ 431,16. Além disso, propuseram abono de 72% dos dias em que houve paralisação. Embora o sindicato ainda não tenha tomado uma decisão, a presidente da entidade, Juvandia Moreira, deu uma declaração na qual demonstrou satisfação com a proposta: "Foi uma vitória dos trabalhadores porque os bancos queriam um reajuste abaixo da inflação."

Antes da greve, os bancos ofereciam reajuste de 5,5%, sob a justificativa de que essa era a projeção para a inflação nos próximos 12 meses. A proposta chegou a ser ampliada para 7,5% e 8,75%, mas as duas foram rejeitadas pelos trabalhadores. Até que, na sexta-feira passada, houve nova elevação, dessa vez para 10%, superando a inflação do período.