Motoristas e passageiros que trafegam pela BR-040 no trecho entre Brasília e Juiz de Fora já podem utilizar os serviços oferecidos pela Via 040, vencedora do certame de concessão dos 936,8 quilômetros da via, realizado em dezembro do ano passado. Entre as melhorias que entraram em funcionamento estão socorro mecânico, atendimento médico de emergência, inspeção de tráfego, sistema de combate a incêndios e apreensão de animais.

Estão à disposição dos usuários da rodovia 29 ambulâncias, 35 guinchos para socorro (entre leves, pesados e extrapesados), seis caminhões pipa, oito painéis de mensagens e 21 veículos para fazer inspeção da via, que passarão pelo mesmo ponto da BR-040 a cada 90 minutos. O objetivo destes carros é monitorar situações de emergência que necessitem de atenção especial, como pane em veículos, animais na pista, entre outros.

As ambulâncias contam com equipes formadas por médicos, enfermeiros e resgatistas, que atuam em regime de plantão. Há dois tipos de serviços disponíveis: de resgate, que atende urgências pré-hospitalares e conta com equipamentos de salvamento, e de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) móvel, destinada ao atendimento e transporte de paciente de alto risco que necessite de cuidados especiais.

Além dos serviços, foram abertos 21 postos de atendimento, instalados a cada 45 quilômetros de distância do trecho sob concessão. Abertos 24 horas por dia, todos os dias da semana, eles oferecem banheiros, fraldário e informações úteis para a viagem.

Pedágio

Os serviços fazem parte do contrato assinado entre a União e a Invepar, vencedora do leilão e proprietária da Via 040. A empresa vai implantar 11 praças de pedágio no trecho licitado e cobrará R$ 3,22 por praça. Isso significa que o motorista que fizer o trajeto Brasília– Juiz de Fora pagará R$ 35,42 para chegar ao destino.

A cobrança, no entanto, só terá início quando 10% do trecho que ainda não é duplicado for ampliado, o que está previsto para o começo do primeiro semestre de 2015. Vale lembrar que dos 936,8 quilômetros da BR-040, 223,3 já estão duplicados. Do restante, o edital elaborado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) prevê que 109 quilômetros sejam duplicados no segundo ano, o equivalente a 19,6% da via. Nos três anos seguintes, 149,4 quilômetros serão ampliados a cada 12 meses.

O investimento previsto para realizar todas as obras necessárias está estimado em R$ 7,4 bilhões. São acionistas da Invepar, grupo detentor da Via 040, a OAS, a Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil, a Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros) e a Fundação dos Economiários Federais (Funcef). O vencedor poderá explorar a rodovia por 30 anos.

A expectativa é a de que 6,7 mil empregos diretos e indiretos sejam gerados quando o serviço estiver em plena operação. Até o momento, 400 empregos diretos foram criados.

Filé mignon das rodovias

O grupo Investimentos e Participações em Concessões (Invepar) abocanhou o filé mignon das rodovias, a BR-040, no último e mais acirrado leilão realizado pelo governo federal em 2013 e desbancou oito concorrentes de peso, como Queiroz Galvão, CCR e Ecorodovias.

A empresa apresentou proposta de pedágio de R$ 3,22 para cada uma das 11 praças (carro de passeio), um deságio de 61,13% sobre o teto estipulado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), de R$ 8,30.

A Via 040 foi a empresa criada para assumir a concessão, como é de praxe nesse tipo de operação.