O país fechou em 2015 um total de 1,542 milhão de postos de trabalho com carteira assinada. O dado é o pior da série histórica, iniciada em 1992, segundo o ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rossetto. O saldo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do ano foi resultado de 17,707 milhões de admissões e 19,249 milhões de demissões, conforme divulgação feita pelo ministério nesta quinta-feira (21).

O dado do ano passado mostra deterioração na situação do emprego, se comparado com o ano anterior. Em 2014, foram geradas 420,7 mil vagas formais, pela série com ajuste, que inclui dados entregues com atraso pelas empresas.

O resultado de 2015 ficou um pouco melhor do que as expectativas de mercado financeiro. De acordo com pesquisa AE Projeções com 16 instituições, o saldo do Caged do ano passado ficaria entre um corte de 1,556 milhão a 1,785 milhão de vagas, com mediana negativa de 1,696 milhão.

Dezembro

No mês de dezembro de 2015, o Brasil fechou 596,2 mil vagas formais de emprego, segundo o Ministério do Trabalho e Previdência Social, o pior resultado para o mês da série histórica iniciada em 1992. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) são fruto de 917 mil admissões e 1,513 milhão de demissões.

O resultado foi inferior ao registrado em dezembro de 2014, quando o dado ficou negativo em 555,5 mil vagas pela série sem ajuste, que não considera dados enviados com atraso pelas empresas. O número de dezembro de 2015 ficou dentro das expectativas do mercado para o mês passado. Levantamento do AE Projeções apurado com 16 instituições apontava que seriam fechadas entre 575.000 e 755.900 vagas, com mediana indicando o encerramento de 655.000 postos, na série sem ajuste sazonal.

Setores

A indústria de transformação foi a responsável pelo maior número de vagas formais de trabalho fechadas em 2015, segundo dados do Caged. No ano passado, o setor encerrou 608.878 vagas com carteira assinada. Em dezembro, o saldo do emprego na indústria ficou negativo em 192.833.

A construção civil foi responsável pelo segundo maior corte, com menos 416.959 vagas no ano passado. Em dezembro, foram menos 102.660 empregos. O setor de serviços, por sua vez, fechou 276.054 vagas no ano e 180.941 em dezembro. O comércio teve, em 2015, menos 218.650 postos e, em dezembro, menos 38.697.

A indústria extrativa mineral fechou 14.039 vagas em 2015 e 1.811 em dezembro. A administração pública encerrou 9.238 postos no ano passado e 18.502 em dezembro.

O único setor que apresentou abertura de vagas em 2015 foi a agricultura, com um saldo positivo de 9.821. Em dezembro, contudo, o setor teve saldo negativo de 58.853 postos.