O lançamento da Casa Cor Minas 2014, na última quinta-feira, atraiu a atenção não apenas de decoradores e arquitetos, mas também de muitos jovens que estão no início de sua trajetória profissional e enxergam no evento um espelho da sofisticação das profissões que escolheram.

Jovens alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), cursando ou concluindo o ensino médio, e que optaram por trabalhar como marceneiros, eletricistas ou pedreiros veem na Casa Cor uma “valorização” do ofício. Essa é a opinião do Gerente de Educação Profissional do Senai/MG, Edmar Fernando de Alcantara.

“Estamos usando a Casa Cor pra divulgar a profissão para os jovens. Às vezes o jovem não enxerga que a marcenaria é uma profissão sofisticada. Quando estamos num ambiente como este, o jovem valoriza a profissão”, atesta Edmar.


Mão de obra

Em 2104, o Senai e a Fiemg apresentam na Casa Cor um estande dedicado a apresentar a sofisticação e a qualidade da mão de obra mineira, sobretudo na formação de profissionais por meio da instituição. “Todos os profissionais de design, construção civil, arquitetura e decoração têm se deparado com falta de mão de obra qualificada. O Senai tem buscado suprir esse setor”, informou Edmar.

Em Minas Gerais o Senai está presente em 72 municípios com 93 escolas de formação profissional atuando em 28 segmentos da indústria. A expectativa para este ano é matricular 200 mil alunos nos cursos disponibilizados. Os cursos são voltados para estudantes e têm duração média de um ano e meio.

Entre 2011 e 2013, em Minas Gerais, mais de 447 mil pessoas fizeram cursos profissionalizantes na instituição que é, atualmente, a maior escola de educação profissional da América Latina.

Sofisticação

O Espaço Minas Gerais Senai/Fiemg na Casa cor deste ano é composto por um hall, projetado pelo arquiteto Cláudio Reis, o loft, da profissional de design Lena Pinheiro e o apartamento, da arquiteta Christianne Taranto. Os espaços foram projetados para expor a sofisticação da matéria-prima mineira, como a “mineirice do ladrilho hidráulico” e na qualidade da mão de obra “que semeia inovação e conhecimento”.

Este é o terceiro ano que o Senai participa da Casa Cor, sempre com focos distintos. “Esse ano é a sofisticação do emprego relacionado”, explicou Edmar.

O Gerente de Educação Profissional do Senai/MG destaca que nos cursos oferecidos há sempre a preocupação com a sustentabilidade, que acaba por levar, também, sofisticação ao trabalho dos alunos. “Sempre procuramos utilizar materiais sustentáveis e a não utilização de energia em excesso. O retorno que se espera é que tenhamos um equilíbrio com o meio”, destacou.