Cerca de 300 trabalhadores estão em greve na Refinaria Henrique Lages, em São José dos Campos, no Vale do Paraíba (SP), de acordo com o Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro). A reivindicação é de 5,23% de correção salarial mais 10% de aumento real. Outro ponto que entrará na negociação é a abertura de pelo menos mais 70 postos de trabalho.

De acordo com o presidente do Sindipetro, José Ademir da Silva, a situação na cidade é "grave", uma vez que a mão de obra de operação está escassa em pelo menos 70 trabalhadores, podendo chegar a cem. "Mesmo fechando o acordo coletivo, haverá a necessidade de discussão para aumento do efetivo na operação", que, segundo os cálculos do Sindipetro, precisa ter uma reposição de 20% a 30%. Atualmente, a operação da Revap tem pouco mais de 300 petroleiros.

A unidade no Vale do Paraíba emprega 1.014 funcionários diretos e outros 3 mil terceirizados. Em época de manutenção, o número total pode chegar a até dez mil trabalhadores, como aconteceu há algumas semanas, conforme o Sindipetro. O movimento de greve na Revap tem o apoio de centrais sindicais como CSP Conlutas - Central Sindical e Popular, que dirige o Sindicato dos Metalúrgicos do município, além do Psol e PSTU. Os sindicalistas criticam também o leilão do Campo de Libra feito nesta segunda-feira (21), pelo governo federal. Na análise da entidade, a presidente Dilma Roussef "entregou de bandeja" o petróleo do Brasil.