A retomada gradual e segura do setor de comércio e serviços de Belo Horizonte, prevista para começar na segunda-feira (25) - o martelo, contudo, só será batido nesta sexta-feira (22), às 14h, em reunião na PBH -, ocorrerá em ondas semanais. Cada uma incluirá segmentos e estabelecimentos pré-estabelecidos, conforme normas definidas pelo Comitê de Reabertura das Atividades Empresariais na cidade - criado para conduzir o processo durante a pandemia da Covid-19.

A informação foi divulgada pelo presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas da capital (CDL-BH), Marcelo de Souza e Silva, após encontro do comitê, na noite de quarta-feira (20), com a presença do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Cláudio Beato. 

Em áudio divulgado aos associados da CDL e à imprensa, Souza e Silva disse que, pelos critérios fixados pelas autoridades, haverá espaçamentos de sete dias durante o processo de reabertura. "As ondas vão acontecer por semanas. Elas iriam acontecer de 14 em 14 dias, mas resolveu-se na reunião subdividir: vai ter a primeira onda dia 25, a segunda no dia 1º (de junho) e assim sucessivamente. O anúncio das atividades será sempre nas sextas-feiras", afirmou.

De acordo com om dirigente, setores e lojas contemplados na primeira e nas demais levas de permissões para reabertura ainda não foram definidos. "As atividades foram debatidas e o secretário Cláudio Beato vai fazer um estudo para nos enviar, sobre quais atividades vão reiniciar", explicou. 

Otimismo

Se a decisão pelo início da reabertura fosse tomada com base em três indicadores colhidos na capital até a quarta-feira (20), dia da reunião, segundo Souza e Silva, a decisão da PBH seria favorável aos comerciantes. Ele se referia ao índice de transmissão da Covid-19 no município e ao número de leitos de UTI e de enfermaria disponíveis para pacientes com o novo coronavírus, apresentados no encontro.

"Na quarta-feira, o índice de transmissão era de 1,09 e havia 47% de leitos de UTI e 30% de leitos de unidades de enfermaria utilizados. Com esses números, se fosse hoje, estaríamos anunciando abertura das atividades a partir de segunda", ressaltou.

Bares e restaurantes

Souza e Silva disse também que a situação dos bares, restaurantes e  shopping centers populares da capital seguia sem definição quanto a datas e condições de reabertura. Já em relação a autoescolas e imobiliárias, o presidente lembrou que não há qualquer impedimento ao funcionamento, desde que atendidas as regras sanitárias básicas.

Nessa quarta (20), a CDL confirmou ter recebido autorização municipal para produzir e afixar mil faixas educativas sobre a prevenção da Covid-19 em 50 centros comerciais espalhados pela capital. O trabalho deve começar nos próximos dias. 

Procurada pela reportagem para se posicionar sobre a reabertura ou não do comércio, a partir de segunda-feira, a PBH informou que uma nova avaliação da situação da pandemia na cidade, da qual depende a decisão, será feita nesta sexta-feira e anunciada na reunião das 14h.