A indústria brasileira tem visto seus custos subirem mês a mês. De acordo com o IBGE, os preços gerais de produção do setor aumentaram 4,78% em março, frente a fevereiro. A marca é a segunda maior alta da série histórica do Índice de Preços ao Produtor (IPP), iniciada em 2014.

Em fevereiro, a alta recorde foi revisada de 5,22% para 5,16%. No acumulado do ano, os recordes já chegam a 14,09%, no trimestre, e de 33,52%, nos últimos 12 meses. A alta é a 20ª consecutiva, desde agosto de 2019. 

De acordo com o IBGE, os custos refletem, principalmente, a elevação dos preços nas atividades de refino de petróleo e produtos de álcool (16,77%), outros produtos químicos (8,79%), madeira (7,73%) e papel e celulose (7,18%). 

Para Alexandre Brandão, gerente de análise e metodologia da Coordenação de Indústria do IBGE, o resultado traduz ainda o impacto da depreciação do Real frente ao dólar. “Muitas matérias primas estão com os preços majorados e essas altas se espalham por diversas cadeias” explica Brandão.

Leia também:

Indústria x Fisco: com R$ 250 bi em jogo, STF decide hoje sobre mudanças no cálculo do PIS/Cofins