O leilão de transmissão de energia realizado nesta sexta-feira, 10, na BM&FBovespa foi concluído com um deságio médio de 11,96%, levando em consideração os seis lotes leiloados dos dez que foram ofertados. A Receita Anual Permitida (RAP) desses empreendimentos soma R$ 398,145 milhões, pelas propostas feitas pelos vencedores. Mesmo sem conseguir leiloar quatro lotes, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) considerou o resultado do certame satisfatório.

Segundo o diretor da agência Julião Silveira Coelho, a ausência de propostas para dois dos lotes já era esperada. Um deles é o lote D, composto por uma pequena linha de transmissão, de apenas 69 quilômetros de extensão, a ser construída em Goiás, e para a qual era estimada uma RAP de R$ 2,522 milhões. "Havia problemas de escala no Lote D", disse Coelho, indicando que o empreendimento pode voltar a ser ofertado, como parte de um lote maior.

Os demais três lotes sem interessados têm empreendimentos em território paulista: o lote E, composto de uma linha de transmissão de 399 quilômetros até o Paraná, e o lote F, com uma linha de 241 quilômetros e uma subestação, e o lote J, com uma linha de 207 quilômetros e duas subestações. Juntos, esses lotes somam mais de R$ 130 milhões de RAP máxima.

Julião considerou que entre as alternativas para aumentar a atratividade desses lotes estaria o aumento da RAP máxima permitida ou a ampliação do prazo, o que deve ser estudado pela agência.