O Brasil tem uma agricultura cada vez mais profissionalizada, afirmou José Vicente Caixeta Filho, professor titular da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz (Esalq/USP) durante o Summit Agronegócio Brasil 2015, realizado pelo jornal O Estado de S. Paulo, com patrocínio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), nesta quinta-feira (26), em São Paulo.

"O Brasil é como o celeiro do mundo, com uma agricultura cada vez mais profissionalizada e que não pode sentir vergonha ao afirmar que os resultados são positivos", disse ele durante sua palestra no evento.

Caixeta Filho destacou que a agropecuária brasileira tem crescido, principalmente, no setor de carnes. "Temos um incremento enorme da produção de carnes de baixo valor agregado que é um aspecto muito importante para agricultura brasileira", disse.

Em compensação, o professor apontou que a logística é um dos principais desafios para o setor nos próximos anos. Ele avaliou que, além da alta dependência do transporte rodoviário e das filas de caminhões comumente registradas nos portos do País, há ainda a falta de estrutura de armazenagem.

"Produtor não tem onde armazenar e usa o caminhão como estoque e isso se reflete no valor do frete", afirmou. Para ele, o Brasil precisa investir nestas questões para impulsionar ainda mais a produção.

Caixeta Filho ressaltou as novas estruturas portuárias inauguradas recentemente no Norte do País. "A movimentação de exportações no Maranhão, por exemplo, avançou 90% este ano ante 2014."