Durante brinde em homenagem ao presidente do Paraguai, Horacio Cartes, o presidente Michel Temer cometeu mais uma gafe diplomática e confundiu Paraguai com Portugal.

"Na nossa Constituição, existe um dispositivo especial que determina que toda e qualquer política pública no país se volte para a integração latino-americana de nações. Então, portanto, fazemos isso, em primeiro lugar, pelo apreço que temos na relação Brasil e Portugal", disse o presidente, que depois ao completar acabou corrigindo: "Mas também o fazemos, como fruto de uma determinação constitucional. Porque as pessoas aqui muitas vezes não dão atenção à institucionalidade. Nós damos muita atenção a essa institucionalidade e por isso tomo a liberdade de dar este argumento ao lado da natural integração que temos entre o Brasil e o Paraguai", disse.

Essa não é a primeira gafe de Temer no terreno diplomático. Em junho, durante uma cerimônia no Palácio do Planalto, ao lembrar sua viagem a Moscou, o presidente afirmou que havia conversado com empresários "soviéticos". "Eu estive agora recentemente em Moscou, na Rússia, e depois na Noruega, e verifiquei interesse extraordinário dos empreendimentos soviéticos (...) podemos verificar interesse extraordinário dos empresários soviéticos e dos noruegueses", disse.

A gafe repetiu o que constou na agenda oficial divulgada pelo Palácio do Planalto sobre a viagem à Rússia que constava como "República Socialista Federativa Soviética da Rússia", denominação usada durante o regime comunista, entre 1917 e 1991, para designar a Rússia na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). O nome oficial do país é Federação Russa. O erro de informação permaneceu no ar ao longo de 15 minutos e acabou sendo corrigido.

Na mesma viagem em junho, quando visitou também a Noruega, o presidente passou por uma saia-justa com as criticas da primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, em relação à corrupção no Brasil. Durante a sua fala, Temer cometeu mais uma gafe ao dizer que iria se reunir naquele dia ainda com o rei da Suécia. O encontro a que ele se referiu, entretanto, era com o monarca norueguês, Harald V.

Leia mais:
DEM terá candidato à Presidência em 2018, diz Maia
Aliado de Aécio, Marcus Pestana defende saída de Tasso da presidência do PSDB
Reunião com Aécio prova que Temer quer fazer 'intervenção' no PSDB, diz Ferraço