As empresas mineiras de Tecnologia da Informação (TI) querem alcançar um faturamento de R$ 12,9 bilhões em 2022 ante um montante atual anual de R$ 2 bilhões. Segundo o governo do Estado, o segmento propôs à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia e Ensino Superior, uma proposta ao Projeto MGTI de incentivo ao setor nos próximos oito anos a partir de 2015.

Conforme as empresas mineiras de TI, para atingir o faturamento esperado para 2022 seriam necessários investimentos anuais R$ 12,5 milhões em geração de negócios, capacitação, condomínio virtual e ambiente regulatório. A meta do programa é formar e capacitar até 75 mil profissionais e atrair até 2.500 empresas no condomínio virtual, aumentando a competitividade do Estado na área de TI.

As empresas, por meio da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação de Minas Gerais (Assespro-MG), Sociedade Mineira de Software (Fumsoft) e Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações em Minas Gerais (Sucesu), pediram ao governo o apoio para articulação, capacitação e fomento das empresas, bem como na criação de uma legislação para regular a tecnologia da informação em Minas Gerais, visando reforçar a projeção do Estado em níveis internacionais. O governo, por sua vez, prometeu analisar os pedidos.

Hoje, o Estado possui aproximadamente cinco mil empresas ligadas à TI, sendo 70% em Belo Horizonte e região metropolitana. O setor gera aproximadamente 20 mil empregos diretos em 35 municípios.