Os Estados Unidos voltaram a ocupar o posto de primeiro lugar na atração de investimentos estrangeiros diretos (IED) em 2015, posto que foi ocupado pela China no ano anterior, informou hoje um relatório das Nações Unidas.

A economia norte-americana recebeu um total de US$ 384 bilhões em investimento estrangeiro, quatro vezes mais a quantidade recebida em 2014. Hong Kong e China receberam, respectivamente, US$ 163 bilhões e US$ 136 bilhões.

Os dados preliminares tabulados pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad) mostram que o IED cresceu 36% em 2015 ante o ano anterior, para cerca de US$ 1,7 trilhão. Os países desenvolvidos voltaram a receber a maior parte do IED mundial, uma tendência que foi quebrada apenas de 2012 a 2014, quando as nações em desenvolvimento ficaram com a maior parte do bolo.

Segundo a Unctad, no entanto, o retorno aos padrões pré-crise de 2008 não significam um retorno à normalidade do IED, uma vez que, no ano passado, que eles foram anormalmente influenciados por uma alta nas fusões e aquisições internacionais e também por empresas que mudaram suas sedes de país atrás de benefícios fiscais.

"Os fluxos de IED deve, recuarem 2016, refletindo a fragilidade da economia global, da volatilidade dos mercados financeiros, da demanda agregada frágil e a desaceleração significativa de alguns emergentes", disse a Unctad. "Riscos geopolíticos elevados e tensões regionais podem piorar ainda mais estes desafios". Fonte: Dow Jones Newswires.