O presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira, prorrogou a sessão conjunta "pelo tempo necessário" para a conclusão da apreciação da ordem do dia. Depois dos vetos presidenciais, o principal projeto em pauta é a mudança nas metas fiscais de 2017 e 2018. O governo conta com a aprovação para poder fazer um déficit maior nos dois anos, de R$ 159 bilhões, e enviar o projeto de Lei Orçamentária do ano que vem já sob esse objetivo.

O plenário aprecia neste momento o último veto da lista. Sob o temor de a votação das metas começar muito tarde e sem quórum suficiente, Eunício acelerou as últimas deliberações sobre vetos. "Não posso amarrar senadores nas cadeiras", advertiu o presidente do Congresso mais cedo.

A intenção de Eunício era liquidar a votação dos vetos ainda na terça-feira para deixar a sessão desta quarta livre para a votação das metas, mas o baixo quórum de senadores acabou jogando oito vetos para a pauta desta quarta. Hoje mais cedo, a presença de senadores também foi um desafio para a obtenção do quórum necessário para a ordem do dia.

Como a votação dos vetos é feita primeiro na Câmara dos Deputados, a manutenção do veto nesta Casa dispensa a aferição da posição do Senado. Isso tem colaborado para a maior celeridade dos trabalhos.