Com o mercado de trabalho retraído e o contingente de desocupados cada vez mais elevado, em Minas e no país (onde, no primeiro trimestre, havia quase 15 milhões de desempregados), muita gente tem visto no empreendedorismo a saída para garantir renda. E o mercado de franquias se destaca nesse segmento, já que oferece alguns negócios de baixo investimento, estrutura garantida e promessas de boa rentabilidade pelos franqueadores.

Com os olhos voltados a tal público, a capital sedia hoje a Feira Virtual de Franquias (FVF), contando com mais de 30 marcas. Do total, 70% são microfranquias que exigem aportes de até R$ 90 mil. Algumas, no entanto, oferecem a possibilidade dos negócios chamados “home based”, ou geridos de casa, que podem custar apenas R$ 1 mil ao investidor. 

Evento acontece nesta quinta-feira (17) durante todo o dia; quem se interessar deve se cadastrar no site da feira

Segundo o diretor da FVF, Ricardo Branco, essa modalidade tem atraído cada vez mais investidores, seduzidos justamente pelo baixo investimento, além do suporte e do know-how das empresas que os oferecem. “É uma alternativa interessante, pois não há necessidade de dispor de tanto capital e o retorno é rápido. Há casos de redes que mostram que é possível recuperar o dinheiro mobilizado em até seis meses, por exemplo”, destaca Branco.

Estado

De acordo com levantamento da Associação Brasileira de Franchising (ABF), somente em Minas um total de 13.712 franquias estavam ativas em 2020. A maior concentração era ligada ao setor de serviços, com 23,9%. Em seguida, vinham Alimentação (17,2%); Saúde, Beleza e Bem Estar (16,7%), e Serviços educacionais (11,5%). [/TEXTO]Entre os negócios mais rentáveis, conforme a ABF, o destaque eram franquias ligadas a corretoras de seguros e empréstimos consignados, que 55% de rentabilidade sobre o total de operações realizadas.

Cautela

Mesmo diante de boas oportunidades, segundo o consultor financeiro Rodrigo Campello, é preciso cautela na hora de investir, além de estudar o mercado. “Não adianta empreender só por necessidade. É necessário fazer isso por opção, conhecer a marca, conversar com franqueados e entender o ramo. Muitas vezes, são investimentos que vêm do trabalho de uma vida”, diz ele.

Leia também:

Modelos de negócio virtuais ganham cada vez mais espaço nas propostas de franchising