O mercado de franquias segue em plena recuperação, alcançando, no período de julho a setembro de 2021, faturamento de R$ 47,385 bilhões, em todo o país, e de R$ 3,6 bilhões em Minas Gerais. O resultado reforça a trajetória de recuperação registrada nos trimestres anteriores e é superior até mesmo ao período pré-pandemia. É o que aponta a Pesquisa Trimestral de Desempenho do Setor, realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF).

De acordo com o levantamento, o faturamento no 3º tri de 2019 foi de R$ 47,203 bilhões e caiu para a R$ 43,954 bilhões em 2020. Comparados com o mesmo período de 2019 com este ano, o crescimento foi de 0,4%.

Em Minas Gerais, o cenário é semelhante e indica um crescimento de 6,9% no faturamento geral das redes de franquias no período analisado, com mais de R$ 3,6 bilhões de faturamento. Em relação a números de unidades, o mercado mineiro expandiu 12,8%, registrando um total de 15.544 operações. 

No Estado, a maioria das vendas de franquia concentra-se nos mercados de serviços e outros negócios (27,2%), saúde, beleza e bem-estar (16,4%) e moda (12,9%), o que, segundo o estudo, demonstra a diversidade e a versatilidade do franchising em Minas Gerais.

Crescer na crise

Vivian Deus, CEO do Grupo Joaninha, marca mineira de brechó infantil, já tinha o negócio há uma década, mas foi durante a pandemia que a empresária expandiu como nunca. Dos 30 contratos de franquias que administra atualmente, 27 foram assinados entre 2020 e 2021, período da crise sanitária. 

“Na pandemia, expandimos porque aprendemos, mesmo na crise, a nos reinventar e também por ser um nicho de primeira necessidade, já que crianças não param de nascer e crescer”, diz.

Além de Minas, a marca já está em Recife, São Paulo e Rio de Janeiro. “Até o final de 2022, quero estar em, pelo menos, mais 12 Estados com pelo menos 100 lojas abertas”, projeta a empreendedora mineira. 

A empresária atribui o crescimento do negócio ao carinho do público e as vantagens do mercado de novo e usado. “Desde nossa criação, sempre houve muitos pedidos de expansão de forma orgânica. Tivemos um boom de pessoas pedindo pelo Joaninha nos bairros. Além disso, o negócio é muito rentável porque o cliente adquire peças seminovas por um preço muito abaixo do mercado”, afirma.

Consumo de volta

As pesquisas da ABF e sondagens com redes de todo o país apontam que este movimento está muito ligado à gradual retomada da atividade econômica e da vida social, com o consumidor retomando hábitos até mesmo em áreas como alimentação fora do lar e turismo. “No terceiro trimestre, já estava bem adiantada a agenda de liberação das restrições relativas à Covid-19, inclusive com um retorno mais robusto das aulas presenciais. Os shoppings vêm registrando recuperação na movimentação de pessoas, assim como os aeroportos”, diz Danyelle Van Straten, diretora regional da ABF Minas.

Empregos

As empresas de franchising geraram em Minas Gerais mais de 124 mil postos de trabalho diretos nos meses de julho, agosto e setembro, aponta a pesquisa da ABF. Isso representou um crescimento de 15,4 % frente ao mesmo período do ano passado.

A pesquisa aponta ainda que o segmento com maior variação positiva no terceiro trimestre foi o de Turismo e Hotelaria, com uma recuperação de 51,9%, 

A retomada das viagens, seja de lazer ou negócios, é apontada como principal fator de impulsionamento.

Em seguida, figuram os mercados de entretenimento, lazer, serviços e outros negócios, também impulsionados pela reabertura e flexibilização dos eventos com crescimentos de 14,5% 11,8%, respectivamente. 

Para Danyelle Van Straten, diretora regional da ABF Minas, ainda há espaço para crescimento do segmento de franquias no Estado. “Minas Gerais é um campo muito vasto, com diversas oportunidades a serem exploradas. Somos 853 municípios ávidos por negócios bem estruturados”, avalia.