Os empregados administrativos do escritório da Usiminas e Usiminas Mecânica aprovaram na quarta-feira (24) proposta de redução da jornada em um dia útil por semana, com redução proporcional do salário. De acordo com a siderúrgica mineira, a medida, que deverá entrar em vigor em julho, "visa a preservar ao máximo as equipes de trabalho, diante da atual crise econômica da cadeia do aço".

A companhia destaca que no acordo foi proposta a garantia de emprego de, no mínimo, 95% dos empregados administrativos durante o tempo de vigência da medida.

"Nas usinas de Ipatinga e Cubatão, a Usiminas continua aberta às negociações com os sindicatos locais, visando manter o máximo possível a sua força de trabalho. Entretanto, os sindicatos locais se recusam a convocar a assembleia", de acordo com nota da Usiminas.

A medida vem na esteira da queda da demanda de aço no Brasil. Nessa semana a Gerdau informou que suspendeu por cinco meses o contrato de trabalho de seus funcionários na usina de aços especiais de Charqueadas, no Rio Grande do Sul. O começo do "layoff" tem previsão para o início de julho, informou a siderúrgica gaúcha. Assim como alegou a Usiminas, a Gerdau informou que o acordo tem como objetivo preservar os empregos existentes.