O Governo de Minas Gerais calcula novo ano no vermelho para 2016. Durante entrega do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, no início da tarde desta sexta (15) na Assembleia Legislativa, o secretário de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, afirmou que o Estado deve ter déficit de R$ 3,7 bilhões e já descartou investimentos para o próximo ano.

Segundo Magalhães, apenas em 2017 o Estado conseguirá zerar o déficit orçamentário. "Continuamos com a firme intenção, determinado pelo governador Fernando Pimentel, de conter as despesas, estamos fazendo, como em 2015, um ajuste no custeio do Estado, mantendo sob controle, reduzindo contratos de manutenção", afirmou o secretário, que estima economizar cerca de R$ 1 bilhão em contenção de custeio e melhoria teconológica.

Sobre a folha de pagamento, Magalhães afirmou que deve subir de R$ 42 bilhões, neste ano, para R$ 44 bilhões, em 2016, o que representa uma economia de aproximadamente R$ 2 bilhões. "Se deixássemos o crescimento vegetativo, o valor chegaria a R$ 46 bilhões, R$ 47 bilhões". Investimento advindo do tesouro, a exemplo de 2015, está descartado para o próximo ano. O governo pretende concentrar os esforços para realizar investimentos a partir de PPP (Parceria Público-Privada).

Também presente na entrega do projeto, o secretário da Fazenda, José Afonso Bicalho, prevê um crescimento de receita de 7,8% deste ano para 2016. As principais ações para atingir essa meta serão esforço para diminuir a inadimplência do pagamento de ICMS (prevê aumento de R$ 40,5 bilhões para R$ 43,7 bilhões com a arrecadação do imposto) e para aumentar a arrecadação com cobrança de crédito tributário.