A greve dos bancários chegou ao 14º dia: em todo o país, foram 13.071 agências fechadas, um recorde de acordo com o sindicato nacional da categoria. Segundo o Contraf-CUT, o número representa 56% do total de agências do Brasil. 

Iniciada em 6 de setembro, a paralisação chega à sua terceira semana após duas rodadas de negociação terminarem sem acordo. 

Na reunião do dia 15 de setembro, a Fenaban (braço sindical da Febraban, que representa os bancos) manteve a proposta apresentada na sexta-feira (9), em que oferece reajuste salarial de 7% mais abono de R$ 3.300 a ser pago em até dez dias após a assinatura do acordo. 

Na negociação anterior, realizada na terça (13), a entidade também não havia feito alterações na proposta. Os dois encontros foram uma "reunião exploratória" e sem expectativa de se fechar um acordo, diz a Fenaban em comunicado. 

Os trabalhadores pedem reajuste de 5% mais a inflação no período, que até agosto foi de 9,62%, além do equivalente a um salário mínimo de benefícios como vale refeição, vale alimentação e auxílio creche. 

Em 2015, os bancários pararam por 21 dias e conseguiram um reajuste de 10%, com ganho real de 0,11%.

Leia mais:
Sem acordo, greve de bancários continua nesta sexta-feira
No nono dia, greve dos bancários fecha 12,4 mil agências, diz Contraf
Bancários rejeitam proposta de reajuste salarial de 7% da Fenaban

O QUE OS BANCÁRIOS PEDEM  
- reajuste - 5% mais a inflação de 9,62% 
- benefícios - R$ 880 em vales-alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche 
- piso - R$ 3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese) 

O QUE OS BANCOS OFERECEM 
- reajuste - 7% sobre salário e benefícios 
- abono - R$ 3.300 
- piso - R$ 2.856,31 

BANCOS DURANTE A GREVE 

1 - Pagar contas 

O cliente do banco pode utilizar internet banking e aplicativos para celular do banco para efetuar o pagamento. Para isso, confira se as senhas os aplicativos estão funcionando e vá a agências ainda não paralisadas para atualizá-las. Os caixas eletrônicos e correspondentes bancários, como agências lotéricas, Correios e até alguns supermercados também recebem pagamentos de contas 

Em caso de dificuldade, o cliente pode entrar em contato com a empresa e pedir alternativas para realizar o pagamento. É importante registrar o pedido, enviando por e-mail ou anotando o número de protocolo de atendimento. Caso o fornecedor não dê opções para pagar a conta, o consumidor deve usar esses documentos para reclamar junto a um órgão de defesa do consumidor. 

2 - Transferências de dinheiro 

É possível fazer por internet banking, celular, caixa eletrônico e atendimento por telefone. 

Atenção: os valores das transferências podem ser limitados por esses canais, dependendo do seu perfil de renda e padrão de gastos. Se existe a previsão de uma transferência nos próximos dias, procure uma agência que ainda esteja funcionando 

3 - Investimentos e resgates 

Também podem ser feitos por internet, aplicativo, caixa eletrônico e central de atendimento por telefone. Seja qual for o canal de atendimento, lembre-se de pesquisar o rendimento oferecido e as taxas cobradas para aplicar ou resgatar o dinheiro aplicado
 
4 - Empréstimos e financiamentos

Os bancos também oferecem crédito pessoal em condições pré-aprovadas nas plataformas de atendimento eletrônico. Lembre-se, no entanto, que as taxas nessas modalidades costumam ser altas e devem ser usadas apenas em emergências. 

Para quem precisa renegociar dívidas, os grandes bancos oferecem plataformas de renegociação sem atendimento ou então permitem o envio de propostas pela internet. 

A documentação para financiamento imobiliário é entregue na agência. Esse tipo de crédito tende a ficar suspenso durante a greve.