Os impactos da pandemia de Covid sobre a renda dos trabalhadores e principalmente sobre os empregos poderão ser sentidos até nove anos depois de o coronavírus fazer a primeira vítima no Brasil. É o que mostra estudo do Banco Mundial, que analisou os efeitos de outras grandes crises econômicas deflagradas por diferentes motivos sobre países como o Brasil, o Chile e o México. A conclusão do levantamento, apresentada ontem, não é nada animadora. Indica que a recuperação, quando realmente acontece, é com menos postos de trabalho – e mais precários.

Segundo Joana Silva, coautora do estudo “Emprego em crise - Trajetória para Melhores Empregos na América Latina pós-Covid-19”, isso acontece porque vários empregos formais são eliminados de forma persistente durante uma grave crise. De acordo com o relatório, a perda dessas vagas chega a 3% na América Latina, e, no Brasil é ainda maior: 4%. Nas situações em que houve retomada, ela se deu por meio do emprego informal, que cresce em média 2%. Na prática, significa um país com muitos trabalhadores empurrados para a informalidade. 

N/A

PRECARIZAÇÃO – Análise de outras crises pelo Banco Mundial mostrou redução de empregos formais e aumento da informalidade

Foi exatamente o que aconteceu com V.A.C.P., de 27 anos. Quando a pandemia começou, ela trabalhava há oito meses numa loja de lingeries na Savassi, em Belo Horizonte. Com carteira assinada, recebia R$ 1.500 de salário e com a comissão de 3% sobre as vendas tirava, no mínimo, R$ 2 mil líquidos por mês, fora o vale-refeição de R$ 500. 

4% dos  empregos formais eliminados de forma persistente no Brasil a cada grave crise econômica

Mas a patroa só conseguiu manter o negócio por mais três meses. “Ninguém imaginava que a pandemia fosse durar tanto. A loja fechou de vez e as três funcionárias foram demitidas”. Desde então, V. conseguiu dois trabalhos: em uma oficina de motos e em uma escola de estética, mas em nenhum foi “fichada”. No último, onde ganhava R$ 900 por mês, não havia sequer vale-transporte. “Depois da pandemia, o pessoal quer pagar muito pouco, porque tem muita gente sem emprego, desesperada por uma oportunidade”. V. agora vende maquiagem por conta própria e se prepara para fazer um curso de aplicação de cílios e se tornar autônoma. “Mas trabalhar com carteira é outra coisa. Você consegue se planejar. Não tem que matar um leão por dia”, diz.

Ainda segundo o relatório do Banco Mundial, trabalhadores menos qualificados passam a ter uma renda mais baixa por uma década após a crise. Já os mais qualificados, com ensino superior, conseguem se recuperar em um ou dois anos. Tudo isso agrava a desigualdade. 

2% crescimento dos empregos informais quando há recuperação

Para amortecer efeitos do desemprego, o estudo sugere o reforço de medidas como o seguro-desemprego e ações para promover oportunidades locais de emprego.

Briga por vagas vai mobilizar até profissional qualificado

A recolocação de profissionais menos qualificados deverá ser ainda mais árdua diante da grande competição pelas vagas que surgirem – disputadas inclusive por candidatos altamente capacitados, mas também sem ocupação formal.

“A pandemia deixou ainda mais cruel a necessidade de qualificação, a exclusão e a precarização dessa massa de trabalhadores menos qualificados”, diz Mafalda Ruivo Valente, economista e professora das Faculdades Promove.

Situação que já tira o sono de Isabela Gomes, de 37 anos. Demitida em março da loja onde trabalhava há 4 anos, em Betim, ela tem o ensino fundamental e agora faz faxinas e vende cosméticos. “Não faço ideia de quando vou conseguir outro emprego de carteira assinada. Quando converso com pessoas que têm faculdade e não conseguem emprego, o que me dá é desânimo”, desabafa Isabela, que ganha R$ 1.500 mensais, metade do que conseguia nos tempos de vendedora.

(*) Colaborou Ana Paula Lima

Leia mais:
BH não tem data para vacinar contra Covid pessoas com menos de 40 anos
Tarifa do gás canalizado será revisada pelo governo de Minas
Seminário do Carnaval de BH será realizado de 27 a 29 de julho; confira a programação