Apesar da recente escalada do dólar, a compra de imóveis no exterior, especialmente nos Estados Unidos, continua sendo uma boa alternativa de investimento. Mas é preciso cautela na avaliação de objetivos, perspectiva de retorno, disposição ao risco e recursos disponíveis.

É certo que imóveis em Miami e Nova York, mesmo com a recuperação gradativa de preços e a desvalorização do câmbio, estão comparáveis ou mais baratos do que seus equivalentes no Brasil em padrão e localização. E a perspectiva é de valorização maior nos EUA do que por aqui.

No entanto, por se tratar de um investimento dolarizado, consultores avaliam que não é indicado para aqueles que usariam toda a economia para comprar um imóvel nos EUA. Nesse caso, vale a velha máxima do mercado financeiro de “não se colocar todos os ovos na mesma cesta” e proteger-se dos riscos do câmbio.

Mas, para aqueles que possuem uma reserva apreciável e buscam diversificação, a janela de oportunidade do mercado americano de imóveis ainda não se fechou. “Os imóveis nos EUA ficaram mais baratos do que no Brasil devido à crise que assolou o país, fator que joga a favor do investidor”, comenta o consultor financeiro e professor de Finanças do Ibmec, Eduardo Coutinho.

Além dos preços atraentes, imóveis oferecem segurança (não tanto quanto no Brasil em função do risco cambial) e geram um retorno com aluguel atraente quando comparado com outros investimentos conservadores. “Se o investidor comprar um apartamento que já tem um contrato de aluguel embutido pode valer a pena, apesar do dólar alto. Mas deixar um imóvel parado no exterior agora é ruim”, afirma o analista de investimentos e professor de finanças Paulo Vieira.

De acordo com o diretor de Vendas da Elite Internacional Realty, Daniel Ickowicz, os imóveis nos EUA se valorizaram cerca de 20% nos últimos 24 meses. Mesmo assim, o custo do metro quadrado em Nova York ou Miami ainda é igual, ou até mesmo inferior, ao encontrado em São Paulo ou Rio de Janeiro.

“Em Sunny Isles, por exemplo, que é uma área extremamente nobre de Miami, o metro quadrado está em torno de R$ 24 mil. Em um bairro nobre do Rio de Janeiro, chega a R$ 40 mil”, diz.