Com foco inicial na modernização da envelhecida frota de blindados de transporte de pessoal dos exércitos da América Latina, foi inaugurada ontem a fábrica da Iveco Veículos de Defesa, em Sete Lagoas, Região Central de Minas Gerais. O ponto de partida para a implantação da fábrica, classificada pelos executivos da Iveco como a mais moderna da companhia no ramo de defesa, e que recebeu aporte de R$ 55 milhões, foi a encomenda do Exército Brasileiro (EB) para o desenvolvimento de um veículo blindado de transporte de pessoal médio sobre rodas, anfíbio e aerotransportável, com tração 6 X 6, batizado de Guarani.

Inicialmente, foram encomendadas 102 unidades do blindado, mediante contratos de R$ 282 milhões, mas o comandante do Exército, general Enzo Peri, reiterou ontem que poderão ser pedidos 2.044 veículos nos próximos20 anos. Se a projeção se confirmar, o contrato poderá chegar a R$ 6 bilhões.

“A América Latina é um mercado de alguns milhares de unidades”, afirmou o diretor-geral da Divisão de Veículos Especiais da Iveco Latin America, Paolo Del Noce. O otimismo do executivo faz sentido. O Guarani foi desenvolvido para substituir o blindado Urutu, fabricado no Brasil pela extinta Engesa a partir de 1974. Entre os países latino-americanos, o Urutu foi adquirido pela Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Uruguai e Venezuela.

Essa frota envelhecida, que beira os 30 anos, está em vias de se aposentar e é um mercado potencial para o Guarani, que será ofertado por um fornecedor conhecido e sem histórico de embargos para vizinhos.

Interessados

De acordo com Del Noce, a Argentina já manifestou interesse em avaliar o Guarani, em um lote inicial que pode chegar a 14 unidades. Chile e Colômbia também demonstraram interesse, assim como países do Oriente Médio buscaram informações sobre o blindado.

“O Guarani tem despertado a atenção de vários países”, comemorou Marco Mazzu, presidente da Fiat Industrial Latin America.

Para o Guarani ser exportado, porém, ainda falta a certificação oficial do Exército Brasileiro, o que deve acontecer no terceiro trimestre. Conforme o coronel Armando Ferreira, supervisor da Gerência de Pesquisa e Desenvolvimento do projeto do Guarani, as primeiras 102 unidades do veículo serão direcionadas para a 15ª Brigada de Cascavel, no Paraná, onde a infantaria do Exército será mecanizada.

A fábrica da Iveco Veículos de Defesa foi instalada no Complexo Industrial da Iveco em Sete Lagoas, em uma área de 30 mil metros quadrados, 18 mil deles de área construída, e vai representar 15% do faturamento da empresa na América Latina.

A planta poderá ser ampliada em três ou quatro anos, dependendo da demanda, e poderá fabricar o veículo blindado multifuncional LMV, um jipe militar que tem 4 mil unidades vendidas na Europa, e versões militarizadas de caminhões.

Leia mais na Edição Digital