O ex-ministro da Fazenda e agora diretor financeiro do Banco Mundial, Joaquim Levy, esteve nesta quarta-feira, 9, no ministério para conversar com o secretário executivo, Eduardo Guardia, e disse que pretende aprofundar a parceria de muito tempo do organismo internacional com o Brasil. "O Banco Mundial sempre busca apoiar e dar melhores condições para os negócios de empresas que podem ajudar a aumentar o emprego. Também temos histórico em ações de combate à pobreza", limitou-se a dizer ao deixar o ministério. Questionado sobre os impactos que a eleição de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos possam ter na economia mundial, Levy apenas disse que "essa é uma questão que ainda precisa ser avaliada".