O ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse nesta segunda-feira (21), ao transmitir o cargo para Nelson Barbosa, que conseguiu cumprir sua promessa de aumentar a transparência e a imparcialidade na administração da pasta. Além de agradecer o trabalho de sua equipe e desejar sucesso a Barbosa, Levy também destacou as discussão junto ao Legislativo, sobretudo o Senado, durante 2015.

"Minha equipe aceitou o desafio de acompanhar-me conhecendo bem a dificuldades de restabelecer ideias e práticas que haviam sido abandonadas. Isso em um ambiente político difícil", disse Levy. "Nelson Barbosa foi uma importante parceria em inúmeras ocasiões", acrescentou.

Para o agora ex-ministro, o Brasil avançou no reequilíbrio da sua economia nos últimos meses, reconhecendo a necessidade de reduzir gastos e avançar em reformas estruturais, a começar pela Previdência. "O cidadão comum, dona de casa e o estudante, fizeram esforço para entender necessidade de o Brasil realinhar sua economia, a começar pelos preços administrados. O público entendeu que as politicas anteriores haviam se esgotado e que era preciso mudar", considerou. "A política econômica tinha que mudar de rumo e assim foi feito", completou.

De acordo com Levy, o aumento de preços em 2015 deve ser seguido pela queda da inflação, sem a necessidade de intervenção dos preços administrados. "De fato, as expectativas de inflação começaram a baixar pela primeira vez em muitos anos", destacou.

O ex-ministro disse ainda que os empresários entenderam que os subsídios produziam menos resultado em temos de crescimento e compreenderam que um política fiscal clara traz segurança aos negócios e espaço para investimentos. "Os empresários entenderam as reformas para sermos competitivos. Para aumentar emprego e renda do trabalhador, não bastam estímulos pontuais aos investimentos, mas enfrentar questões estruturais mais profundas deixadas de lado durante o boom das commodities", acrescentou.

Em balanço de suas atividades à frente da Fazenda, Levy citou ainda a agenda de iniciativas junto ao Senado sobre uma forma de financiamento da reforma do ICMS, sem onerar a União ou precisar de novos impostos. O ex-ministro citou também a proposta de reforma do PIS/Cofins, que, segundo ele, poderá aumentar de forma "espetacular" a competitividade das empresas, principalmente da indústria de máquinas e equipamentos.

Levy elencou ainda a apresentação pelo governo este ano de um novo marco para a infraestrutura, segundo ele com mais transparência e "adequado ao mundo pós Operação 'Lava Jato'" . "O setor de infraestrutura, junto ao da construção civil, é crucial para crescimento do Brasil e geração de empregos", analisou.

Ele destacou ainda que o trabalho legislativo complementa a segunda fase do Programa de Investimentos em Logística (PIL 2). "Queria agradecer grande apoio e diálogo proporcionado durante o ano no Poder Legislativo, principalmente no Senado. Pudemos avançar no essencial mesmo em meio à turbulência política que tem cobrado preço tão alto à nossa economia", ressaltou. "A cooperação com o Senado foi uma das experiências mais importantes ao longo do ano", enfatizou.

Levy encerrou seu discurso de despedida dizendo que a economia brasileira já começa a dar sinais de recuperação incipiente. Para ele, sanada a incerteza política e fiscal, e havendo sinalização de reformas, o País voltará a ter o crescimento que merece e é capaz de ter. "O ano de 2016 vai ser um ano de grandes realizações, grandes surpresas, união e superação das incertezas políticas que marcaram tanto os últimos meses", concluiu.