Considerada vice-campeã entre as melhores datas para negócios no segundo semestre, atrás apenas do Natal, o Dia das Crianças deve aquecer o comércio varejista em Minas Gerais. Tanto que mais da metade (54,1%) das empresas de diversos segmentos, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira pela Fecomércio-MG, espera aslteração positiva no movimento. Três a cada dez (32,0%) projetam vendas ainda melhores que em 2019 e dois (24,2%), ao menos iguais às registradas na data do ano passado. 

Conforme o levantamento “Expectativas do Comércio Varejista – Dia das Crianças 2020”, apesar da cautela em função da pandemia, nesta reta final do ano, marcada por importantes datas comemorativas, os empresários começam a recuperar o otimismo (sentimento manifestado por 28,6% dos entrevistados). 

“Por ser uma data que possui forte apelo emocional e comercial junto ao público infantil, muitos estabelecimentos devem investir em ações que para atrair o consumidor. Além disso, para 18,6% dos entrevistados, o acesso a recursos, como o auxílio emergencial, poderá contribuir para elevar as vendas no período”, avalia a analista de pesquisa da Fecomércio MG, Letícia Marrara.

Diante desse contexto, 45,2% dos empresários afirmaram que irão investir em propaganda, 26,5% em promoções e liquidações e 9,6% em ações de visibilidade da loja, com o objetivo de atrair o consumidor e melhorar as vendas no Dia das Crianças. “Ao adotar tais medidas, é preciso ter planejamento e atenção na formação de preços e descontos, garantindo assim o capital de giro necessário à sustentabilidade do negócio”, pondera Letícia.
 
Para a última hora

Em relação às expectativas para o momento da compra, 76,8% dos empresários apostam que os consumidores deverão deixar a aquisição dos presentes para a semana que antecede o Dia das Crianças. Neste ano, o ticket médio esperado pelo comércio varejista estadual não deve ultrapassar o valor de R$ 200,00, que poderá ser parcelado no cartão de crédito para 33,2% dos entrevistados.

Já os segmentos que devem se sobressair durante o período são: o comércio de livros, jornais, revistas e papelaria (60,0%); supermercados, hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (59,0%); tecidos, vestuários e calçados (57,8%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (55,6%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (52,3%). 

De acordo com a pesquisa, mais da metade (57,2%) dos estabelecimentos já recebeu os produtos e está preparado para atender os consumidores. Outra parcela (19,7%), embora tenha feito os pedidos, ainda não estão preparada para a data. “As incertezas relacionadas à reabertura do comércio em várias cidades mineiras têm influenciado no planejamento dos estoques das lojas. Mas, aos poucos e com cautela, os empresários estão retomando o cronograma de ações e organizando seus negócios,” observa a analista de pesquisa.

A pesquisa “Expectativas do Comércio Varejista – Dia das Crianças 2020” avaliou 405 empresas cadastradas pela área de Estudos Econômicos da Fecomércio MG. Aplicada entre 14 e 24 de setembro, a análise possui margem de erro de 5 pontos percentuais (p.p.), com intervalo de confiança de 95%.