Ingresso, tropeiro, sanduíche de pernil, picolé, água, pipoca, refrigerante, placas de publicidade e estacionamento. Esses eram os únicos produtos comerciais oferecidos no Mineirão até junho de 2010, quando foi fechado para as reformas que o preparam para a Copa 2014.

Já o novo Mineirão, com reabertura prevista para janeiro do próximo ano, terá a carteira de negócios diversificada e multiplicada várias vezes. E, de deficitário, deverá passar a gerar lucro.

O princípio é simples: o fim do subsídio do governo do Estado e a profissionalização do futebol mineiro. De julho de 1965 até quando fechou os portões para as obras, o Mineirão foi gerido pela Administradora de Estádios de Minas Gerais (Ademg). Entre 2008 e 2010, a autarquia recebeu, em média, R$ 10,4 milhões anuais de repasses.

Agora, a expectativa é que o consórcio Minas Arena, que irá gerir o estádio até 2037, tenha um faturamento de R$ 76 milhões já no próximo ano, com uma receita líquida de R$ 66 milhões anuais.


Negócios

A projeção é da Análise Accenture, consultoria responsável pelo estudo no qual foi baseado o Plano de Negócios de Referência da Parceria Público-Privada para a reforma e administração do estádio.

Apesar do documento ter sido produzido no final de 2009, o cenário ainda factível. Para atingir essa expectativa de receita, a Minas Arena vai oferecer produtos diferentes dos que existiam no antigo Mineirão, tais como áreas comerciais, área VIP, camarotes, restaurantes, espaço para eventos não esportivos (shows, feiras, convenções, seminários etc), naming rights, apoios e patrocínios.


Produtos

O consórcio pretende fazer o lançamento dos produtos no final de novembro, mas alguns deles já foram revelados. O plano da Minas Arena é implantar as unidades comerciais em duas etapas. Na primeira, serão ofertadas 25 lojas, entre 52m² e 198m², com possibilidade de uma loja âncora de até 1.680m².

Na segunda etapa, estão previstas outras 27 lojas de 60m² cada. Entretanto, as datas não estão fechadas e a segunda etapa pode ficar para após o Mundial de 2014.

Uma área de aproximadamente 10.765 m2 abrigará 98 camarotes, totalizando 2.100 lugares, além de um restaurante panorâmico, lounges e sanitários. Os camarotes contarão com ar condicionado, TV de plasma, mobiliário e cadeiras exclusivas, alimentação e bebidas não alcoólicas. Os camarotes de 18 e 20 pessoas terão até cinco vagas de estacionamento.
 
Conheça mais sobre este complexo mundo de negócios do futebol na Edição Digital.