A Embraer apresentou nessa terça-feira (21) a aeronave KC-390 que promete estabelecer novos padrões em sua categoria, com o menor custo do ciclo de vida do mercado e ampla polivalência – transporte e lançamento de cargas e tropas, reabastecimento em voo, busca e resgate e combate a incêndios florestais. O projeto é da Força Aérea Brasileira (FAB), que contratou a Embraer em 2009 para o desenvolvimento da aeronave na unidade industrial de Gavião Peixoto, no interior paulista. A fabricante de aviões contratou mais de 50 fornecedores nacionais e apenas uma empresa mineira figura entre as selecionadas: a Aerotron, sediada em Itajubá, no Sul de Minas.

A Aerotron passou por um processo seletivo que durou quase dois anos e considera a relação comercial que tem com a Embraer desde 2004 como determinante para ser escolhida. A empresa produz e fornece dispositivos que acionam os armamentos do avião de ataque leve Super Tucano, também fabricado pela Embraer. No caso do KC 390 é responsável pela proteção balística em contrato válido tanto para a produção seriada como avulsa.


Investimento

A Aerotron investiu US$ 5 milhões para ampliar a planta no Sul de Minas e prevê, até 2015, dobrar seu faturamento. Os valores não foram detalhados. O desenvolvimento da tecnologia de blindagem foi realizado em Itajubá e contou com uma parceria com a holandesa Tencate, informou a empresa.

Produzido em Gavião Peixoto, o desenvolvimento do projeto do KC-390 se deu na planta de Eugênio de Melo, um distrito de São José dos Campos. De acordo a Embraer, cerca de 1.500 funcionários estão diretamente envolvidos no programa. Quando a produção da série estiver estabilizada, o programa KC-390 gerará outros 1.100 empregos diretos.


Capacidade

A aeronave é capaz de transportar até 26 toneladas de carga a uma velocidade de 470 nós (870 km/h), com capacidade de operar em pistas austeras, inclusive não pavimentadas, ou danificadas. Diferentes tipos de cargas podem ser transportados, como pallets, veículos, helicópteros, tropas (até 80 soldados equipados), paraquedistas (até 66 paraquedistas equipados, que podem saltar tanto de portas laterais como da rampa de carga).

O contrato da Embraer com o Comando da Aeronáutica prevê um lote de 28 aeronaves. Além da encomenda da FAB, existem intenções de compra de países como Argentina, Chile, Colômbia, Portugal e República Tcheca, totalizando 32 aeronaves.

A aeronave será a maior já fabricada no Brasil e tem a missão de substituir o veterano Hércules C-130, da norte-americana Lockheed, em operação há mais de 50 anos. Após esta apresentação da aeronave nessa terça, a Embraer poderá realizar importantes testes em solo antes do primeiro voo da aeronave, previsto para ocorrer até o final deste ano. O próximo passo são avaliações de sistemas que culminarão com o primeiro acionamento do motor.

Na sequência serão realizados testes de vibração em solo e demais ensaios planejados. O KC-390 apresentado é o primeiro de dois protótipos que serão usados nas campanhas de desenvolvimento, testes de solo, testes de voo e certificação.

Saiba mais sobre a aeronave KC-390: