O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, justificou a alteração da meta fiscal divulgada nesta quarta-feira (22), afirmando que "objetivo (da medida) é diminuir a incerteza da economia ao informar meta segura e adequada" para ajudar a orientar os agentes financeiros em suas decisões.

A meta de superávit primário do setor público foi reduzida para R$ 8,747 bilhões, o equivalente a 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo o relatório de receitas e despesas do Ministério do Planejamento. A meta anterior era de R$ 66,325 bilhões (1,13% do PIB), uma queda de 86,73%.

Em entrevista concedida nesta quarta-feira (22), para comentar a perspectiva para as receitas e despesas do governo, Levy afirmou que, ao reduzir a incerteza, "(o governo) tenta dar orientação clara da sua estratégia". O ministro disse ainda que a queda nas receitas é a base da necessidade de ajustar a meta ao comportamento das empresas. O ministro acrescentou que o "ajuste fiscal não tem sido fator contracionista até o momento".