O Operador Nacional do Sistema (ONS) elétrico divulgou nesta sexta-feira (23) a quarta e última revisão das projeções de afluências e nível de reservatórios para o mês de outubro, e sinalizou que as condições da região Sudeste/Centro-Oeste são menos favoráveis do que aquelas previstas uma semana atrás. A projeção de Energia Natural Afluente (ENA) foi reduzida de 93% para 89% da média de longo termo (MLT) e a perspectiva em relação ao nível de água armazenada nos reservatórios no dia 31 de outubro caiu de 28% para 27,1%. Na quinta-feira (22) os reservatórios operavam com o equivalente a 28,58% da capacidade de reservação.

O submercado Sudeste/Centro-Oeste é responsável por 70% da capacidade de armazenamento de água do País e por isso a situação da região é considerada mais importante do que as demais áreas do País. Neste momento, o sistema brasileiro é marcado pelo excesso de chuvas na região Sul e pela falta de água no Nordeste.

As previsões do Informe do Programa Mensal de Operação (IPMO) para a região Sul indicam a continuidade das chuvas. A ENA esperada foi reduzida de 241% para 229% da média histórica para meses de outubro. O forte volume de chuvas, responsável pelos estragos ocorridos na região, deve fazer com que os reservatórios cheguem ao dia 31 de outubro com o equivalente a 97,2% da capacidade de reservação. Na quinta, o número estava em 95,58%.

No Nordeste, por outro lado, as previsões continuam a se deteriorar. A ENA esperada para o acumulado de outubro foi reduzida de 33% para 29% da MLT. A expectativa para o volume de água nos reservatórios da região foi reduzida de 8,6% para 8,5% da capacidade. Na quinta, os reservatórios operavam com o equivalente a 10,05%, o que indica que o nível de segurança de 10% deverá ser rompido durante o final de semana.

Na região Norte, o ONS reduziu a estimativa de afluência de 71% da média histórica para 60%. O nível dos reservatórios no dia 31 de outubro deve ficar em 24,3%, abaixo dos 25,6% previstos na semana passada. Na quinta, os reservatórios acumulavam 27,01% da capacidade.

Carga

Pela primeira vez desde o final do mês passado, o ONS trabalha com previsão de queda menos expressiva na carga que circulará pelo Sistema Interligado Nacional (SIN) em outubro - desde a primeira previsão mensal, o número estimado estava em aproximadamente 3%. Nesta sexta-feira (23), a previsão para a carga ficou em -2,4% na comparação entre meses de outubro, menos adversa do que a retração de 3% prevista uma semana atrás. A carga esperada para o mês ficou em 65.557 MW médios.

O ONS reduziu a previsão de queda no submercado Sudeste/Centro-Oeste de 4,3% para 3,5%. Na região Sul a queda esperada de 8,2% foi mantida. Na região Nordeste o número esperado foi elevado de 1,5% para 1,8% e, na região Norte, a alta foi alterada de 9,7% para 11%.

CMO

Diante da previsão de menor volume de chuva e consumo de energia um pouco maior, o ONS elevou o Custo Marginal de Operação (CMO) válido entre 24 e 30 de outubro. Para o submercado Sudeste/Centro-Oeste, o número foi elevado em 7%, de R$ 190,86/MW para R$ 204,17/MWh.

No caso da região Norte, o número de R$ 190,86/MW subiu para R$ 270,30/MWh, uma variação de 41,6%.O mesmo preço de R$ 270,30/MWh foi estabelecido para a região Nordeste, mas como na semana passada o CMO estava em R$ 300,57/MWh, houve queda de 10,1%. No Sul o CMO caiu 20,6%, de R$ 167,29/MWh para R$ 132,81/MWh.

O CMO é o indicador de custo que baliza o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) do mercado spot de energia. O PLD da próxima semana deve ser divulgado ao longo desta tarde pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).