O presidente do Senado Federal, o mineiro Rodrigo Pacheco (DEM), está com tudo acertado para se filiar ao PSD. O parlamentar, cotado para ser presidenciável nas eleições de 2022, comunicou a decisão ao presidente nacional do DEM, ACM Neto, na terça-feira (19) à noite. O ato de filiação ao PSD ocorrerá na semana que vem, em Brasília.

Fontes consultadas pela reportagem do Hoje em Dia indicaram que a decisão de Pacheco foi motivada pela disputa interna no União Brasil, o partido criado a partir da fusão do DEM com o PSL, já que a nova sigla tem entre seus quadros outros presidenciáveis, como o jornalista José Luiz Datena e o ex-ministro da Saúde Luis Henrique Mandetta. No PSD, o caminho para Pacheco se tornar candidato a presidente não encontra nenhum obstáculo, tendo sido assegurado pelo próprio presidente do partido, Gilberto Kassab.

Pacheco tem mandato no Senado até 2026 e não precisa renunciar ou se afastar do cargo para concorrer à Presidência em outubro do ano que vem.

Uma vez concretizada a filiação ao PSD, toda a bancada de Minas no Senado será do mesmo partido, que também abriga Antonio Anastasia e Carlos Viana. O PSD também é a sigla do prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil.