Os petroleiros deverão fazer greve de 24 horas em 3 de outubro, aniversário de 60 anos da Petrobras, conforme indicativo aprovado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP) em reunião, em Brasília, na quarta-feira, 18. Segundo nota publicada no site da FUP, o indicativo começará a ser apreciado pelos sindicatos filiados em assembleias a partir de segunda-feira, 23. Também está em discussão uma greve mais ampla a partir de 17 de outubro - cujo indicativo será votado em reunião da FUP agendada para o próximo dia 8.

A pauta de reivindicações vai além da negociação salarial e de condições de trabalho, incluindo também mobilizações contra o leilão do campo de Libra - primeiro a ser oferecido pelo modelo de partilha, marcado para 21 de outubro - e contra o Projeto de Lei (PL) 4.330/04, de autoria do deputado federal Sandro Mabel (PMDB-GO), que propõe a regulamentação da terceirização de atividades em empresas e no serviço público. A proposta tem sofrido oposição dos sindicatos.

Além do indicativo de paralisação por 24 horas em 3 de outubro, a agenda de mobilizações definida na reunião de quarta-feira inclui a organização de um acampamento em Brasília, ao lado dos movimentos sociais, para protestar contra o leilão de Libra e o projeto de lei.

A data-base de reajuste dos petroleiros é 1º de setembro e as negociações com os sindicatos começaram em 15 de agosto. A pauta de reivindicações dos trabalhadores propõe reajuste real de 5%, além de recomposição da inflação com base no ICV/Dieese - segundo a FUP, a estimativa para a variação do índice até setembro é de 6,6%.