Pouca gente sabe, mas 10 de julho é Dia Internacional da Pizza. Iguaria que nasceu na Itália e conquistou fãs mundo afora, a massa fermentada regada com molho de tomate e coberta por ingredientes diversos é um fenômeno em Belo Horizonte. São mais de 250 pizzarias, o equivalente a 2% do total de empresas do setor de alimentação fora do lar da capital, onde é quase cruel a concorrência com os milhares de botecos.
 
Juntos, em 2012, pizzarias e delivery faturaram R$ 10,5 milhões. E a expectativa é aumentar o tamanho da fatia em 2013.
 
Prova disso são os investimentos prontos para sair do forno. Com uma pizza vendida a cada um minuto e meio, em média, a Pizzaria Mangabeiras, desde 1972 no mercado, conta hoje com 15 lojas e 30 pontos de atendimento em Belo Horizonte, Betim, Contagem e Nova Lima. Até o final do ano serão mais duas casas.
 
“Só no cartão fidelidade temos mais de 75 mil clientes cadastrados”, diz o responsável pela área de fidelização, Paulo Emílio Godoy. Investimentos e faturamento da rede, assim como a receita de sucesso, são mantidos em sigilo. Mas os planos para 2013 incluem fermentar a internet, canal por onde são feitos 2 mil pedidos por mês, a maioria de pizzas tamanho gigante.
 
Sócio-proprietário da Rede Gourmet, Agilberto Martins revela que investirá, até o primeiro semestre de 2014, cerca de R$ 3 milhões na inauguração de três novos endereços da Pizzaria Olegário. Duas unidades, uma na Pampulha e outra na Zona Sul, serão apresentadas à clientela no mês de outubro deste ano. “Apesar do tumulto e clima de incerteza, apostamos no país e no gosto do mineiro por pizza”, diz Martins.
 
Atualmente, a rede conta com três unidades na capital. Mais de 11 mil pizzas são vendidas por mês. Só a matriz consome 720 kg de farinha, 24 kg de azeitonas, 280l de leite, 720 kg de mussarela comum e 116kg de catupiry.