Você gosta de mamão? Caso a resposta seja afirmativa, o seu bolso sentirá um pouco mais na hora de saciar a vontade pela fruta. O motivo é simples: o preço no quilo do produto, do tipo "mamão havaí", teve um aumento superior a 200% em Belo Horizonte. É o que constata uma pesquisa do site Mercado Mineiro.

O levantamento realizado na capital mineira e Grande BH, no dia 27 de maio, avaliou os valores praticados nos principais sacolões da região. De acordo com o site, o menor e preço encontrado nessa fruta é de R$2,99, mas o valor mais alto pode chegar a R$8,99. Na outra ponta da lista, a melancia  está bem mais em conta, variando 103% - entre R$0,98 e R$1,99.

Assim como o mamão, o "repolho" também teve uma variação significativa, de 291,13%, podendo ser encontrado por R$0,89 a R$3,49. Nessa mesma linha, o preço do quilo do “chuchu” é vendido de R$0,89 a R$2,99, uma diferença de 235,90%.

Quando o assunto é verdura, a "couve" e a combinação "cebolinha e salsinha" estão entre as mais salgadas, com variação de 68,54% e 53,85%, respectivamente. O preço deles vai de R$0,89 a R$1,50, para a primeira, e de R$0,78 a R$1,20, a segunda.

Ao analisar o movimento mensal do preço médio nos sacolões, o Mercado Mineiro constatou um aumento significativo no quilo da “batata”, de 37,83%. Em março, a leguminosa era vendida a R$3,41, e em maio passou a R$4,70. O quilo do “quiabo” também apresentou um aumento de 36,90%, de R$3,55 para R$4,86 no mesmo período.

Ao contrário dos produtos acima, o “tomate” sofreu uma queda de 42,44%. Em março, o preço médio era de R$5,89, em maio caiu para R$3,39.  

A pesquisa completa e outras informações sobre o levantamento podem ser conferidas no site Mercado Mineiro.