Se, em maio, o comércio em Belo Horizonte deixou a desejar – mesmo com o Dia das Mães –, um levantamento da Câmara dos Dirigentes Lojistas da cidade (CDL-BH), mostra que o setor está bem otimista quanto a uma possível recuperação, agora em junho, gerada por aumento de vendas para o Dia dos Namorados (12/6).

Segundo a pesquisa, 51,8% dos comerciantes da capital esperam aumento das vendas em comparação à mesma data do ano passado. Além disso, estimam que cada cliente gaste, em média, R$ 132,59 com o presente. 

A projeção ainda é de que sejam injetados R$ 2,08 bilhões na economia local. De acordo com o presidente da CDL-BH, Marcelo de Souza e Silva, o otimismo é justificado pela flexibilização do comércio e pelo maior preparo dos lojistas para as vendas. 
“No Dia das Mães, os lojistas estavam voltando de um longo período de fechamento e isso atrapalhou na oferta de produtos. Agora, a situação mudou”, explica.

Presentes

Ainda de acordo com os lojistas ouvidos na pesquisas, as roupas devem ser a escolha principal dos casais (29,3%). Calçados veem em segundo (17%) e acessórios como relógios, óculos de sol e bijuterias estão em terceiro (14,7%). Em seguida, aparecem flores (11,7%); cosméticos (11,7%); bombons e chocolates (10%); itens de decoração (8%); bolsas, malas ou mochilas (5,7%) e utensílios e utilidades domésticas (4%).

Para a empresária Juliana Braga, CEO da Brasil em Gotas – rede de lojas de roupas femininas -, a expectativa é de que as vendas sejam alavancadas em até 30%. “É uma data importante e estamos nos preparando para faturar um pouco mais. Tivemos um semestre difícil, com longo tempo de portas fechadas, e agora é hora de conseguir diminuir o prejuízo”, acredita a empresária.

Leia também:

Remédios sem efeito: volta do comércio, auxílio e dia das mães foram pouco para reativar otimismo