A produção de petróleo no Brasil no mês de julho caiu 2,4% em relação a igual mês do ano passado, enquanto a de gás natural aumentou 10,6% na mesma base de comparação, informou nesta segunda-feira (2), a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A produção de petróleo foi de aproximadamente 1,974 milhões de barris por dia e a de gás natural 78,5 milhões diários de metros cúbicos, totalizando 2,468 milhões de barris de óleo equivalente por dia.

Em relação a junho houve redução tanto na produção de petróleo (-6%) quanto na de gás natural (-1,9%). De acordo com o relatório da ANP, a queda foi causada principalmente pela parada programada da Plataforma P-40, no campo de Marlim Sul, um dos grandes produtores da Bacia de Campos, por cerca de 15 dias.

A produção do pré-sal em julho foi de 296,4 mil barris diários de petróleo e 9,9 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia, totalizando 358,8 mil barris de óleo equivalente por dia, uma redução de 4,6% em relação ao mês anterior.

O principal motivo para a queda na produção, ainda de acordo com dados da ANP, foi a conclusão do Sistema de Produção Antecipada (SPA) em um poço interligado à plataforma Cidade de São Vicente, no campo de Sapinhoá, no pré-sal da Bacia de Santos.

A produção do pré-sal teve origem em 25 poços localizados nos campos de Baleia Azul, Caratinga, Barracuda, Jubarte, Linguado, Lula, Marlim, Voador, Marlim Leste, Pampo, Pirambu, Sapinhoá e Trilha.

Cerca de 93% da produção total de petróleo e gás natural no Brasil foram provenientes de campos operados pela Petrobras e aproximadamente 91,4% da produção total de petróleo e 73,1% da produção de gás natural foram extraídos de campos marítimos.

A produção teve origem em 9.050 poços, sendo 784 marítimos e 8.266 terrestres. A plataforma com maior produção foi a P-56, que produziu 143,8 mil barris de óleo equivalente por dia através de 8 poços localizados no campo de Marlim Sul, diz o documento da ANP.