Um protesto de policiais civis contra a reforma da Previdência provocou tumulto e quebra-quebra no prédio do Congresso Nacional nesta terça-feira, 18. O grupo tentou entrar no prédio da Câmara dos Deputados pela chapelaria - um dos principais acessos de parlamentares, imprensa e público em geral.

O acesso do grupo ao prédio foi impedido pela segurança legislativa e o confronto teve início com a presença, inclusive, da tropa de choque. Foram lançadas bombas de gás lacrimogênio, gás de pimenta, muitas pessoas passaram mal e os manifestantes quebraram os vidros da chapelaria.

O acesso ao prédio do Senado foi trancado e o plenário da Câmara dos Deputados, onde está prevista a votação na tarde de hoje do projeto de recuperação fiscal dos Estados, também foi fechado.

Depois do quebra-quebra na chapelaria do Congresso, os policiais civis que protestam contra a reforma da Previdência deram a volta no espelho d'água e subiram a rampa do Congresso para tentar invadir o Salão Negro. A tropa de choque da Polícia Legislativa conseguiu conter o grupo fora do prédio, evitando maiores danos ao patrimônio público. 

Os manifestantes são de sindicatos da polícia civil, pelo menos, de cinco Estados: Minas Gerais, Ceará, Paraná, Espírito Santo e Santa Catarina.

Há muita discussão no momento, com a chegada de cada vez mais policiais que protestam e a Polícia Legislativa acaba de retirar, com truculência, a imprensa do Salão Negro.

Manifestantes começam a se espalhar na plataforma externa do Salão Negro e foram espalhadas cruzes no gramado em frente ao Congresso


Leia mais:
Para aposentadoria especial idade mínima será de 60 anos para homem e mulher
Frente de juízes e Ministério Público divulgam nota contra parecer de Maia
Temer pede consenso sobre Previdência a líderes do Senado e deputados
Além da idade mínima para mulheres, relator flexibiliza outros pontos da reforma