O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, avaliou nesta quarta-feira (16), como "séria" a perda do grau de investimento do Brasil pela Fitch e defendeu que "é "preciso agir". Segundo ele, a resposta está na aprovação das medidas do ajuste fiscal necessárias para a retomada do crescimento. Levy permaneceu em silêncio todas as vezes em que foi questionado sobre se permanecerá no governo.

"A perda do grau de investimento é séria e por isso temos que agir", afirmou em entrevista coletiva após reunião com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Para o ministro, o rebaixamento "indica preocupação" de que tudo que o Brasil precisa fazer não tem sido feito no "passo necessário". Segundo ele, a "atenção" sobre essas questões tem sido desviada por assuntos diversos, que fogem à área econômica.

O ministro rechaçou que o downgrade signifique fuga de investidores do País. "As pessoas querem investir no Brasil", disse. Prova disso, destacou, foi o sucesso do leilão das usinas hidrelétricas, que, segundo ele, deve injetar US$ 4 bilhões no País. "Pela primeira vez sem pegar dinheiro do BNDES", destacou. Na avaliação de Levy, isso mostra que os investidores têm confiança no País.