A Receita Federal perde de arrecadar por ano algo como R$ 716 milhões por conta da informalidade no segmento de fabricação de produtos de limpeza, disse nesta sexta-feira, 25, ao Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) o diretor de Assuntos Corporativos da Unilever Brasil e presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza (Abipla), Antônio Colcagnotto.

O setor formal, por sua vez, contou o executivo, deixa de faturar R$ 1,620 bilhão. "Pesquisas mostram que são mais de 3 mil ilegais atuando neste mercado", disse Colcagnotto. De acordo com ele, o universo de ilegais trabalhando nesse mercado vai desde o indivíduo que faz a mistura de substâncias químicas no fundo do seu quintal até empresas de pequeno porte.

Elas vendem no mercado produtos sem certificação de Anvisa, o que coloca em risco a saúde tanto de quem manipula as químicas quando de quem compra e usa os produtos de procedência desconhecida. A despeito da crise econômica e da ilegalidade no setor, o faturamento deve crescer 4% neste ano. É um avanço pela metade dos 8% registrados no ano passado, mas agrada o segmento uma vez que o PIB agregado do País deve cair acima de 3% pelo segundo ano consecutivo.