BRASÍLIA – O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes (Sindcom) confirmou que os preços da gasolina e do óleo diesel não serão majorados para o consumidor, apesar do aumento que entrou em vigor nesta segunda-feira (19) nos preços cobrados pela Petrobras às refinarias, de 7,83% para a gasolina e 3,94% para o diesel.

De acordo com o presidente do Sindcom (que tem sede no Rio de Janeiro), Alisio Vaz, a Petrobras já informou ao setor que o reajuste não será repassado para os postos de combustíveis – conforme o governo já havia adiantado na última sexta-feira (22) – e, assim, os preços para os consumidores não sofrerão alteração.

“Já recebemos dos nossos associados informações de que não haverá reajuste de preços, já que a Petrobras incorporou à sua remuneração o valor da Cide [Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico], que deixou de ser cobrado sobre a gasolina (R$ 0,09  centavos) e o diesel (R$ 0,45 centavos)”, disse Alisio Vaz à Agência Brasil.

Para evitar que o reajuste de preços cobrado às refinarias chegasse à população e, assim, tivesse reflexos na inflação, o governo decidiu zerar a Cide que incidia sobre a comercialização dos derivados de petróleo, deixando de arrecadar, dessa forma, cerca de R$ 425 milhões mensais. O objetivo do reajuste para as refinarias é diminuir a defasagem de preços dos combustíveis em relação ao mercado internacional, o que compensa a perda da arrecadação da Cide.