A partir desta segunda (15) 1,7 mil trabalhadores da General Motors (GM), em São José dos Campos (SP), entram em férias coletivas válidas até o dia 30 de junho. A medida foi empregada no setor de montagem da pick-up S-10, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos. Nessa unidade, trabalham cerca de 5 mil trabalhadores.
 
O sindicato informou que desde março a empresa mantém 778 funcionários em lay-off (contrato de trabalho suspenso). Eles estão recebendo o salário por meio do Fundo de Amparo ao Trabalho (FAT). A montadora também deu férias coletivas para funcionários da unidade de Gravataí (RS), São Caetano do Sul (SP) e Joinville (SC).
 
A GM informou, em nota, que concedeu férias coletivas para as unidades, em acordo com os respectivos sindicatos. “A medita tem como intuito ajustar o volume de produção à atual demanda do mercado”, diz o texto.
 
Na unidade de São Bernardo do Campo da Mercedes-Benz, cerca de 300 trabalhadores continuam acampados em frente à fábrica para protestar contra a demissão de 500 funcionários de 715 que estavam em lay-off (suspensão do contrato de trabalho). Eles estão se revezando em três turnos e 12 barracas. Outros
 
Duzentos e cinquenta funcionários continuam em lay-off e sete mil que estavam em férias coletivas, retomam ao trabalho hoje. Na fábrica, onde há 10,5 mil, são fabricados caminhões, chassis de ônibus e motores.