O secretário-geral de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse nesta sexta-feira (14), que o governo federal pretende vender, fundir ou mesmo fechar dois terços das 134 empresas da União.

"Ainda não vendi nenhuma, mas adoro fazer isso. Pelo menos dois terços das estatais serão vendidas, fundidas ou vão de alguma forma desaparecer", reforçou Mattar durante sua palestra no encontro Conexão Empresarial, que acontece hoje e amanhã no Minas Náutico, em Nova Lima.

Mattar não listou as estatais que desinteressam ao governo, mas deixou claro que o Palácio do Planalto irá enxugar a máquina. Segundo ele, o número de servidores saltou de 500 mil  no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para 800 mil na administração do PT.

"Neste governo não haverá concurso. Cerca de 35% dos funcionários públicos que vão se aposentar nos próximos quatro ou cinco anos serão substituídos por digitalização dos processos. 

Mattar defendeu ainda que investimentos em estruturas de transporte sejam bancados por empresas privadas. "Quem tem de investir em portos, aeroportos e estradas é a iniciativa privada".

O secretário-geral reforçou que os bancos públicos "não vão mais emprestar para grandes empresas", pois "grandes empresas conseguem buscar recursos de outras formas".