A cesta básica em Belo Horizonte registrou queda de 0,58% em novembro, avaliada em R$ 600,70, segundo dados divulgados pelo Ipead/UFMG nesta sexta-feira (3). Os principais responsáveis pela queda foram o tomate (7,41%), chã de dentro (1,51%) e feijão carioquinha (2,85%).

Já a inflação na capital mineira, medida pelo IPCA e pelo IPCR, aumentou para 0,83% em novembro. O levantamento revela que o custo de vida mais elevado se deve a altas de itens como alimentação em restaurante (1,58%), artigos para casa (1,27%) e alimentos industrializados (1,01%).

Como era de se esperar, a gasolina foi a grande vilã da inflação em BH. O Ipea revela que o combustível fechou em alta de 6,56% no mês.

A inflação acumulada nos últimos 12 meses está em 9,86%. Ela é quase três vezes a meta definida pelo Conselho Monetário Nacional para o ano de 2021, que é de 3,75%, podendo variar entre 2,25% e 5,25%.

 

Leia mais:

Setores produtivos em Minas veem queda no PIB como 'dentro da expectativa'
Pesquisa do IBGE mostra enfraquecimento do mercado de trabalho em 2020

Produção industrial cai 0,6%, revela pesquisa do IBGE