O mercado brasileiro de smartphones volta a registrar números ruins no terceiro trimestre. Segundo a consultoria IDC Brasil, foram vendidos 10,8 milhões de celulares inteligentes entre julho e setembro, 25,5% menos que no mesmo período de 2014.

É a segunda queda consecutiva do setor, que teve retração de 13% no segundo trimestre de 2015. Para Leonardo Munin, analista da IDC Brasil, 2015 já é um ano atípico para o mercado de smartphones brasileiro: com dólar alto, crise econômica e o aumento no ciclo de vida dos aparelhos, o ano deve ter o primeiro trimestre como o de melhor desempenho - normalmente, ele é o mais fraco.

Apesar na queda em número de unidades vendidas, os dados da IDC revelam que houve crescimento de 1,7% no faturamento do terceiro trimestre, com receita de R$ 9,9 bilhões.

Além de divulgar os dados do período, a consultoria também fez previsões para o fim do ano e 2016. Segundo a IDC, o mercado de smartphones brasileiro deve fechar 2015 com queda de 12,8%, com 47,6 milhões de unidades vendidas.

"Em 2016, nossa projeção é de queda de ao menos 8%, com aproximadamente 43,8 milhões de smartphones comercializados", diz o analista da IDC. O fim da Lei do Bem está entre os fatores que explicam as projeções pessimistas.

Segundo Munin, nem datas como Black Friday e Natal ajudarão o volume de vendas a se recuperar. "A Black Friday aqueceu as vendas e seu desempenho será melhor que o do Natal, mas não o suficiente para recuperar", diz.