São 20 mil candidatos a prefeito e 500 mil a vereador no país. Em Minas, 2.760 pessoas disputam os comandos municipais e 74.452 buscam vagas nas Câmaras de 853 cidades, em novembro. Só na capital, 15 nomes concorrem ao Executivo e mais de 1,5 mil, a uma das 41 cadeiras de vereador. É todo esse público que o Sebrae pretende alcançar, já nos próximos dias, com o guia “Dez Dicas do Sebrae para o Candidato”, lançado ontem, nacionalmente.

O documento, cujo anúncio foi antecipado pelo Hoje em Dia, na semana passada, reúne propostas de políticas públicas para os futuros prefeitos e prefeitas, bem como vereadores e vereadoras. Traz, ainda, 100 exemplos de ações relacionadas a cada um dos itens, para orientar postulantes aos cargos mencionados sobre as principais necessidades dos donos dos pequenos negócios.

Atenção

Também no Estado, de acordo com o Sebrae Minas, que preparou um adendo específico ao documento nacional, há hoje 2,4 milhões de micro e pequenos empreendedores – quase a metade deles (1 milhão, ou 45%) registrados como MEIs, 30% como Micro e Pequenas Empresas (MPEs) e 25% como pequenos empreendimentos rurais. 

Todos necessitam, segundo a entidade, da atenção e do engajamento dos representantes populares eleitos nos municípios com políticas públicas que os façam evoluir, trazendo prosperidade para a economia de cada cidade e sua área de influência. “Os candidatos precisam ter um olhar mais atento para este importante motor da nossa economia. Afinal, são mais de 2,3 milhões de estabelecimentos que respondem por 27% do PIB estadual”, explica o diretor técnico da entidade em Minas, João Cruz. 

Pandemia

Ainda segundo Cruz, a sétima edição da pesquisa do Sebrae “O impacto da pandemia do coronavírus nos pequenos negócios”, feita no final de agosto, mostrou que 75% dos empresários do segmento ainda registram queda no faturamento mensal. O número indica que micro e pequenos irão precisar mais do que nunca de um ambiente melhor de negócios para se recuperar.

Outro resultado que aponta efeitos negativos da crise no segmento é o índice de abertura de pequenos negócios no primeiro semestre, que foi apenas 0,3% maior que no mesmo período de 2019. “Entre o primeiro semestre de 2019 e 2018, o crescimento foi de 14%, logo, era esperado um percentual maior que 15% em 2020, já que o número cresce ano a ano”, afirma o diretor do Sebrae Minas.

Maioria das cidades de Minas baseia economia nos pequenos

Dos 853 municípios de Minas Gerais, cerca de 780, ou algo em torno de 90%, têm menos de 50 mil habitantes. Para o Sebrae estadual, essa realidade indica que a economia de boa parte deles é majoritariamente baseada nos pequenos negócios. 

Portanto, aspectos como a ampliação dos números de empregos e a promoção do crescimento da renda passam pelo estímulo a tal segmento. “Os candidatos a prefeito e mesmo a vereador dessas cidades que tiverem propostas específicas voltadas ao empreendedorismo podem ter vantagens ao buscar a atenção do eleitorado. Independentemente de bandeiras partidárias”, diz o diretor João Cruz.

Entre as dicas apresentadas pela entidade, com proposições que deveriam compor a agenda dos postulantes ao Executivo e ao Legislativo municipais, está, por exemplo, o compromisso de incluir cada vez mais os micro e pequenos locais nos processos de compra de produtos e serviços pelas prefeituras. 
“Também é importante que o prefeito desenvolva ações para capacitar os empreendedores locais para que possam disputar os certames, aumentando a riqueza naquele território de maneira sustentável”, afirma Cruz.

Outros itens também chamam a atenção, como os que trazem propostas para desburocratizar processos cartoriais ligados aos pequenos negócios, o de estimular a cooperação e o cooperativismo locais e o de incluir o empreendedorismo no currículo das escolas municipais.

Vale destacar que o documento do Sebrae, que se compromete a reunir-se com prefeitos eleitos em novembro para detalhar esses assuntos, compreende ainda uma série de medidas emergenciais e estruturantes para o segmento.