"BH está parada no tempo, não é feito nada de diferente, as pessoas têm medo de fazer". É através desse diagnóstico que a candidata do PSDB à Prefeitura de Belo Horizonte Luísa Barreto se coloca na disputa de 15 de novembro. Sexta entrevistada na série de lives do Jornal Hoje em Dia, ela destacou a importância de uma política de desenvolvimento para a cidade. "Sou completamente apaixonada pela nossa cidade e quero trazer o olhar do desenvolvimento, de uma cidade que deve crescer todo o tempo e ser uma capital viva e que traga cada vez mais oportunidades para todos".

Ex-secretária-adjunta de Planejamento e Gestão no Governo do Estado, ela defende o conceito de 'Cidade Colaborativa'. "Queremos que a BH encontre soluções em conjunto com as pessoas que moram nela. As pessoas atualmente têm muita dificuldade de participar, elas querem ser ouvidas pela Prefeitura. A cidade colaborativa traz a chance de as pessoas mostrarem sua visão da cidade para a solução dos problemas. A tecnologia é um importante aliado dos governos, já que traz soluções rápidas com custos relativamente baixos. A tecnologia vai permitir que as pessoas avaliem os serviços e participem. Melhorar saúde, educação e transporte público. Defendo uma Prefeitura muito mais transparente. Presicamos expandir muito o conceito de participação na cidade e criar o conceito de colaboração", destacou a candidata, para quem o relacionamento do Executivo municipal com as esferas estadual e federal está distante do ideal.

Outra de suas bandeiras é a valorização da cultura, como forma de aproveitar uma vocação da cidade e transformar seu potencial em geração de empregos e renda. "É importante que se invista mais em cultura, mas que também se passe a olhar a cultura menos como um gasto e mais como um vetor de desenvolvimento da cidade. É uma cidade que tem grandes grupos no teatro, na dança, na música, e o setor cultural tem potencial para gerar empregos. Quem produz cultura em Belo Horizonte sabe como é difícil licenciar um evento, a prefeitura precisa ajudar mais a quem quer empreender, com menos burocracia".

Conceito que também pretende levar para o apoio aos empreendedores e ao esforço para criar postos de trabalho. "Um projeto pelo qual tenho muito carinho é a criação de um centro de recuperação de negócios. O atual prefeito preferiu não olhar para quem quer empreender e gerar empregos, a prefeitura não entendeu que não pode criar empregos, mas pode destruir vários. No mesmo espaço, queremos reunir os empreendedores, a prefeitura, o Sistema S e todos os que querem proporcionar a geração de empregos".

Na segurança pública, a candidata defende três políticas principais: uma atuação mais firme no enfrentamento à violência contra a mulher - por meio de ações de vigilância da Guarda Municipal e de assistência social; um programa de inclusão profissional de jovens fora da rede escolar em áreas como tecnologia e gastronomia e a aproximação da Guarda da comunidade. Luísa também defende a volta da regionalização da administração. "Numa cidade moderna as pessoas encontram tudo o que precisam, inclusive da Prefeitura, perto de casa. Desde que as regionais foram extintas, ficou muito mais difícil obter um alvará, por exemplo", argumenta.

Confira o cronograma das próximas entrevistas:

Marcelo Souza Silva

Clique para ampliar