Quase sete mil eleitores de Dionísio, município localizado no Vale do Aço, voltam às urnas neste domingo (1º) para eleger o prefeito e o vice da cidade. A nova eleição foi convocada porque a chapa eleita em 2016 foi cassada, pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), pela prática de conduta vedada em período eleitoral e abuso de poder político.

No total, três partidos concorrem ao pleito. Pelo Partido Liberal (PL), Ailton Artuzo e Antônio de Oliveira, são os candidatos a prefeito e vice, respectivamente. Pelo Avante, os candidatos são Hermes Freitas da Costa, para prefeito, e Aparecida Pena Martins de Andrade, para vice. Pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), concorrem Francisco Castro Souza Filho e Marciny Martins Pereira, para prefeito e vice.

A votação começa às 8h e vai até as 17h. Os candidatos eleitos, de acordo com Calendário Eleitoral, deverão ser diplomados até o dia 20 de setembro. Os prefeito e vice eleitos ficam no cargo até dezembro do ano que vem.

Chapa cassada

De acordo com o TRE, às vésperas das eleições municipais de 2016, Frederico Coura Ferreira (então prefeito) e Emídio Braga (vice-prefeito reeleito) efetuaram doações de lotes à população carente de Dionísio, com conotação eleitoreira, revelando o abuso de poder econômico e político em prol das candidaturas que foram cassadas.

Em Minas, desde as Eleições 2016, outros 27 municípios já tiveram novas eleições para escolher prefeitos e vices.