No próximo domingo (4), os eleitores de Itabirito, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, voltam às urnas para eleger prefeito e vice, após a chapa eleita em 2016 ter sido cassada por abuso de poder econômico e captação ilícita de recursos na campanha.

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o prefeito, então candidato à reeleição, teria recebido doações de pessoas jurídicas que prestam serviço de transporte no município. Para tanto, as doadoras teriam usado de seus funcionários, sócios e parentes de sócios para doações. A legislação eleitoral proíbe a doação de empresas para campanhas.

Três chapas vão disputar as eleições suplementares. Pela coligação Mudança Que Segue (MDB e PSD), concorrem Arnaldo Pereira dos Santos (MDB) e Rodrigo do Porco (PSD), a prefeito e vice, respectivamente. Pelo Partido Democracia Cristã, concorre Luiz Niquini para prefeito, e Marina Pedrosa Niquini, para vice. Por fim, pelo Partido Popular Socialista (PPS), concorrem Orlando Amorim Caldeira e Elio da Mata Santos. O TRE informou que outras duas chapas renunciaram. 

Os candidatos eleitos devem ser diplomados até o dia 23 de agosto e ficam no cargo até dezembro de 2020.

Itabirito tem 40.299 eleitores, divididos em 124 seções eleitorais. No domingo, serão utilizadas 124 urnas eletrônicas e 15 de contingência, caso seja necessário alguma substituição. 

A votação começa às 8h e vai até 17h, como nas eleições ordinárias e todos os detalhes dos candidatos podem ser acessados pelo sistema Divulgação de Candidaturas.