Se as eleições para prefeito de Sete Lagoas, na região central de Minas, fossem hoje, o candidato pelo PSB, Emílio de Vasconcelos, seria eleito com 35% dos votos. O índice foi apurado por pesquisa estimulada (quando os nomes dos candidatos são informados pelo pesquisador) elaborada pelo Instituto Multidados. O pleito, que ocorre em caráter suplementar, será realizado em 2 de junho.

Em segundo lugar, com 26% dos votos, ficaria o candidato pelo PRB Cláudio Caramelo, presidente da Câmara Municipal e prefeito interino. Em terceiro, Ronaldo Canabrava (DEM), que já foi prefeito da cidade. André Longo (PSL) aparece com 5% das intenções de voto, seguido por Mestre Tranquilo (PTC), com 2%, Ramsés de Castro (PMN) com 2% e Igor do Altíssimo (PT), que desistiu das eleições, com 1%.

A pesquisa foi realizada em 16, 17 e 18 de maio em Sete Lagoas, com 600 pessoas. A confiabilidade é de 93%, com margem de erro de 3,5 pontos percentuais para cima ou para baixo.

A nova eleição foi marcada no último dia 24 e foi necessária porque o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) cassou a chapa eleita em 2016, composta pelo prefeito então eleito Leone Maciel Fonseca e pelo vice Duílio de Castro Faria. Eles foram acusados de uso indevido dos meios de comunicação durante a campanha.

Antes da cassação, Leone Maciel Fonseca renunciou e Duílio assumiu a prefeitura. Quando este foi afastado, o posto foi ocupado pelo presidente da Câmara Municipal Cláudio Henrique Nacif Gonçalves, o Caramelo.

Repercussão

A campanha eleitoral teve início em 10 de maio e, embora o prazo seja curto, o clima do pleito esquentou na cidade. O candidato que ocupa o primeiro lugar nas pesquisas, Emílio Vasconcelos, está confiante. No entanto, critica que a campanha esteja pautada pelos ataques.

“Todos os dias, eu abro a internet para ver qual mentira inventaram sobre mim. Sinto que sou o alvo de todos os candidatos, e o povo está cansado disso. Tem sido um pleito desgastante, mas estou na chuva para me molhar”, afirma. 

O ex-prefeito Ronaldo Canabrava diz achar “estranho” o resultado da pesquisa. “Não acredito. Andando pelas ruas, vejo que minha aceitação é muito grande. Tenho um passado de respeito como prefeito da cidade. Assumi em 2001 em uma condição de terra arrasada e coloquei o município nos eixos”, afirmou. 

André Longo, que detém 5% da aceitação dos sete-lagoanos, discorda dos números divulgados. “A pesquisa não reflete a realidade que vemos em Sete Lagoas porque a cidade clama por mudança e os nomes que estão na frente são antigos”, diz. 

Com 2% das intenções de voto, segundo o levantamento, Mestre Tranquilo afirma ter uma aceitação melhor. “Nossas sondagens por WhatsApp mostram que tenho pelo menos 40%”, diz. Ele informa que entrou com uma representação no TRE contra a pesquisa, que teria fornecido informações erradas a seu respeito.

Cláudio Caramelo informou, em nota, que “a pesquisa em questão, publicada e divulgada nas redes sociais, mostra a minha chapa como sendo impedido pelo TRE, onde através de uma tarja vermelha tentam influenciar os eleitores de nossa cidade com uma mentira absurda, uma fake news” (sic). Ele reiterou que segue na disputa. “Somos candidatos e estamos preparados pra continuar à frente de nosso município, pois o trabalho já começou”.

O candidato Ramsés de Castro, que detém 2% das intenções de voto, não foi localizado para comentar a pesquisa.

A pesquisa do Instituto Multidados foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no dia 15 deste mês sob o número MG-09264/2016 e divulgada nessa terça-feira (21). 

 

artepesquisa