O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), se reuniu na tarde desta quinta-feira (19) com a pré-candidata à Presidência da República Marina Silva (Rede). Entre as pautas discutidas estavam assuntos ligados à agricultura, educação e à necessidade de reforma tributária que descentralize os recursos e aumente o repasse para os municípios. 

“Uma série de agendas foram atribuídas às prefeituras pela Constituição de 88, como saúde, educação e diversos outros serviços. Mas a maior parte dos tributos continua nas mãos do Governo Federal. Os governos municipais também precisam de meios para implementar aquilo que lhes compete”, afirmou Marina.

Sobre um possível apoio dos representantes da prefeitura de BH, a pré-candidata declarou que o vice Paulo Lamac, por pertencer também à Rede, já está ao seu lado, participando da coordenação da campanha e contribuindo para o seu programa de governo. Já Alexandre Kalil deverá decidir seu apoio junto ao PHS dentro de um quadro institucional e avaliando também os interesses do partido. 

Críticas

Com relação a campanha, Marina disse que os gastos serão reduzidos ao ponto de considerar uma candidatura “franciscana” e “de pés no chão”. Apesar dos escândalos envolvendo antigos partidos aliados, como PSDB e MDB, Marina Silva não descartou uma aliança com nenhum partido, mas declarou que PT, PSDB, PMDB e DEM deveriam “tirar umas férias”.